Grendene anuncia joint venture com 3G Radar e prevê investimento de US$ 100 milhões; ações disparam

Joint venture terá como objetivo, no primeiro momento, distribuir e comercializar os produtos da Grendene no mercado internacional

Melissa (Grendene) - divulgação

Foto: Grendene/Divulgação

Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A Grendene, dona das marcas Melissa e Ipanema, fechou uma parceria com a gestora 3G Radar para a constituição de uma joint venture, com investimentos em torno de US$ 100 milhões. A nova companhia vai se chamar Grendene Global Brands Limited e terá sede no Reino Unido.

Nesta sexta-feira, 8, as ações da companhia (GRND3) disparavam 7,40%, a R$ 9,14, por volta das 12h10. Em um ano, os papéis acumulam ganhos de quase 25% na B3.

De acordo com a empresa de calçados, a joint venture terá como objetivo, no primeiro momento, distribuir e comercializar seus produtos no mercado internacional: Estados Unidos, Canadá, China e Hong Kong.

A Grendene vai deter 49,9% de participação do capital social e indicar dois membros para o conselho de administração. A 3G ficará com a fatia restante, de 50,1%, e poderá escolher três conselheiros.

Leia também:   Banco Inter (BIDI11) formaliza aquisição de fintech americana Pronto Money

Além disso, a empresa celebrou um acordo master de distribuição e franquia (MFDA) para regular a venda dos produtos da companhia no exterior, diretamente pela joint venture ou por meio de terceiros.

No primeiro semestre de 2021, a Grendene elevou o volume de pares embarcados, ampliando para 23,2% a fatia nas exportações. No mesmo período, os embarques de calçados brasileiros para o mercado internacional apresentaram queda de 0,3%.

Compra de ações

O acordo também indica que, caso as metas de vendas sejam alcançadas, a 3G Radar terá direito de comprar até 12% do capital da Grendene. Atualmente, a participação de 3G é de 7% no capital da companhia.

Em teleconferência, os executivos da companhia de calçados enfatizaram que os atuais acionistas não serão afetados, já que, caso a 3G exerça o direito da aquisição das ações da Grendene, a opção será feita por meio de transferência direta dos acionistas controladores da Grendene (Alexandre Grendene Bartelle, Pedro Grendene Bartelle, Pedro Bartelle, Giovana Bartelle Velloso, André de Camargo Bartelle e Gabriela de Camargo Bartelle) para a gestora, sem alteração na quantidade de ações.

Leia também:   STF vota por ICMS menor para energia elétrica e ações do setor devem subir

Em caso de exercício da opção, a 3G não poderá transferir as ações adquiridas no âmbito da opção pelo prazo de três anos, contados da data de fechamento da operação.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Não vá ainda...

Baixe o nosso App!

O maior hub do mercado financeiro
na palma da sua mão!

Popup out planos