MRV (MRVE3) planeja investimento em construtora dos EUA

MRV - Divulgação

A construtora MRV (MRVE3) disse ontem à noite, 3, via fato relevante, que estuda um potencial investimento na AHS Residential, empresa que atua no segmento de imóveis multifamiliares nos Estados Unidos, controlada pela família Menin. De acordo com a nota, a companhia esclarece rumor em torno de matéria publicada pela Bloomberg.

A empresa norte-americana tem como fundador e presidente do conselho Rubens Menin, que possui 32,58% de participação da MRV. Segundo apuração do Broadcast, a negociação está em fase final e deve movimentar cerca de US$ 235 milhões.

Em 2017, o fundo Silverpeak Real Estate Partners comprou 5% da participação da AHS, o que significa que Menin ficou com 95% da companhia. Caso ocorra, de fato, a aquisição da empresa, a MRV vai internacionalizar e expandir suas operações além da Flórida, como aponta algumas fontes que têm conhecimento no assunto.

“Os estudos foram motivados pela lucratividade e retorno do mercado de incorporação, aluguel e venda para o segmento americano de workforce para a MRV. Esta rentabilidade é fruto do modelo de contínua reciclagem de ativos, que garante baixa necessidade de capital”, revela a construtora em nota ao mercado.

Mercado

De acordo com analistas do Itaú BBA, a aquisição pode ajudar a MRV a expandir seus negócios e, dessa forma, depender menos do programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal. No entanto, eles não veem sinergias claras para as operações da construtora na compra de uma empresa que opera no ramo imobiliário dos EUA.

Na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), as ações da MRV caminham em direção contrária ao Ibovespa, que opera em alta. Isso porque, segundo os mesmos analistas do Itaú, a operação poderia levantar alguma sombra sobre os padrões de governança corporativa da companhia.

O IMOB, índice que replica o desempenho das construtoras na bolsa brasileira, também enfrenta queda durante o pregão de hoje.

Para o Credit Suisse, ficam três dúvidas pendentes: “o acionista controlador tem uma fatia maior na AHS do que na MRV (95% e 33%, respectivamente), então é importante garantir que a transação aconteça em termos justos; a notícia não pode desviar a atenção dos diretores da companhia em um momento em que os seus principais negócios estão passando por desafios operacionais; e pode ser uma indicação de que a MRV não esteja mais enxergando espaço para crescer no MCMV”, como aponta o InfoMoney.

Foto: Divulgação

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no whatsapp