Mais um episódio da guerra comercial entre a China e os EUA

EUA e China

Representantes comerciais da China e dos Estados Unidos retomaram ontem, 19, as negociações para tentar diminuir as diferenças em questões como importação agrícola e dar andamento no fim da guerra comercial. O que poderia ser um sinal verde ao mercado, acabou se transformando em uma medida de tensão global e fez com que o Ibovespa encerrasse em queda de 0,18%.

Um assessor externo do presidente norte-americano Donald Trump disse que há algumas alíquotas de tarifas para produtos importados que poderiam subir para 50% ou até 100%.

Segundo um jornal chinês, o South China Morning Post, Michael Pillsbury afirmou que as tarifas podem subir. A repercussão também saiu na Reuters.

De acordo com o Valor Investe, o mau humor no fim do dia foi dado após a declaração de Pillsbury, alegando que caso um acordo entre os países não seja fechado em breve, a Casa Branca deve usar artilharia pesada contra Pequim, ou seja, mais tarifas.

Cortes na China

A China cortou sua taxa de juros de referência nesta sexta-feira, 20. A redução ocorre pelo segundo mês seguido e representa um passo do banco central para tentar diminuir os custos de empréstimos, além de apoiar a economia do país enquanto a guerra comercial não sinaliza um fim.

A nova taxa de empréstimo prime da China caiu de 5 pontos-base para 4,2%.

Escrever um comentário