Mercado já vê alta maior de juros na quarta e país crescendo menos que 5% neste ano

Aumento da projeção ocorre logo após o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter proposto flexibilizar o teto de gastos como forma de implementar o Auxílio Brasil

dinheiro real

Foto: Pixabay

Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

Em meio à incerteza fiscal, o mercado financeiro já vê uma alta maior dos juros na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), na quarta-feira. Os analistas ainda projetam mais inflação, encostando em 9% neste ano, e menos crescimento neste ano e no próximo.

Dados do Boletim Focus divulgados hoje mostram que a previsão para a taxa básica, a Selic, já é de 8,75% no final deste ano (0,50 ponto a mais do que na semana anterior) e de 9,5% em 2022 (ante 8,75% anteriormente). 

O aumento da projeção ocorre logo após o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter proposto flexibilizar o teto de gastos como forma de implementar o Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família.

Nesta semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reunirá para decidir o futuro da Selic. Para os economistas, a taxa deve subir 1,25 ponto percentual, saindo dos atuais 6,25% para 7,5% ao ano. Antes, o mercado apostava em um aumento de um ponto percentual.

Leia também:   Genial prevê PIB menor e inflação e juros maiores ao final de 2021

Vale lembrar que, desde março deste ano, quando a taxa se encontrava em 2,75% ao ano, o Copom começou a elevar a Selic como forma de conter a alta da inflação.

Boletim Focus 25 de outubro de 2021

Mais inflação… 

O mercado também voltou a elevar a inflação do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Para 2021, a expectativa subiu de 8,69% para 8,96% – a 29ª alta seguida.

Vale lembrar que a meta de inflação deste ano a ser perseguida pelo BC é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Contudo, a autarquia já deixou claro, em seu relatório trimestral de inflação, que a probabilidade de o indicador ultrapassar a meta imposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 100%.

Para 2022, os analistas subiram a previsão do IPCA de 4,18% para 4,40%. Foi o 14º aumento consecutivo. No próximo ano, a meta central de inflação é de 3,50%, também com intervalo de tolerância de 1,5 p.p. para cima ou para baixo – ou seja, será oficialmente cumprida se ficar entre 2% e 5%.

Leia também:   Nova variante da Covid pode levar a um ciclo de alta de juros menor no Brasil, diz diretor do Goldman Sachs

…e menos crescimento 

Enquanto o mercado financeiro elevou as projeções da Selic e do IPCA, a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil foi reduzida de 5,01% para 4,97% em 2021. Para o próximo ano, a previsão é de que o indicador suba 1,40%. Na semana passada, o mercado projetava crescimento de 1,50%.

Lembrando que o PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve, sobretudo, para medir a evolução da economia.

Dólar mais alto 

O cenário de imprevisibilidade cada vez maior para os gastos no ano que vem também afetou as projeções para o câmbio.

Os analistas ouvidos pelo Boletim Focus elevaram a projeção de R$ 5,25 para R$ 5,45, tanto para o final deste ano como para 2022.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Horas
Min.
Seg.

Não vá ainda...
Olha só o que tá rolando!

Popup Banner Black Week 3 1