Vendas no varejo sobem 1,8% em abril, informa IBGE

Dessa forma, o comércio varejista acumula avanço de 4,7% no ano e de 3,6% nos últimos doze meses

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Em abril, as vendas no varejo tiveram um aumento de 1,8% em comparação ao mês anterior, o que representa a maior alta para o período desde 2000, após queda de 1,1% em março. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta terça-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Dessa forma, o comércio varejista, que ficou 0,9% acima do patamar pré-pandêmico, acumula avanço de 4,7% no ano e de 3,6% nos últimos doze meses.





Segundo a entidade federal, o resultado positivo atingiu sete das oito atividades investigadas.

A maior alta ficou com o grupo de móveis e eletrodomésticos (24,8%), seguido pelos setores de tecidos, vestuário e calçados (13,8%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (10,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,7%), livros, jornais, revistas e papelaria (3,8%), combustíveis e lubrificantes (3,4%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,9%).

Leia também:   Senado aprova a MP da Eletrobras; texto deve voltar à Câmara para análise

Por outro lado, o setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo foi o único que registrou retração na comparação mensal, com queda de 1,7%.

O IBGE apontou que essa queda fez com que o índice geral não fosse maior em abril, já que o setor representa quase metade do volume de vendas pesquisado.

“O consumo das famílias se modificou em termos de estrutura no começo da pandemia. O que tem acontecido é que, em alguns setores, o consumo tem se concentrado em momentos específicos do ano. Antigamente, esses momentos eram muito marcados, como a Black Friday e o Natal, agora o cenário mudou”, comenta o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Enquanto isso, no comércio varejista ampliado, que inclui, além do varejo, as atividades veículos, motos, partes e peças (20,3%) e de material de construção (10,4%), o aumento no volume de vendas foi de 3,8%. Ambas as atividades haviam recuado no mês anterior.





Leia também:   Ministro da Economia pretende tributar dividendos

Comparação anual

De acordo com o IBGE, em relação a abril de 2020, o volume de vendas no varejo cresceu 23,8%. É a segunda taxa positiva consecutiva nessa base comparativa.

Para a ler a pesquisa na íntegra, acesse aqui.

Foto: Pixabay

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp