Vendas no varejo sobem 1,8% em abril, informa IBGE

Dessa forma, o comércio varejista acumula avanço de 4,7% no ano e de 3,6% nos últimos doze meses

Logo Trademap

Por:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Por:

Em abril, as vendas no varejo tiveram um aumento de 1,8% em comparação ao mês anterior, o que representa a maior alta para o período desde 2000, após queda de 1,1% em março. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta terça-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Dessa forma, o comércio varejista, que ficou 0,9% acima do patamar pré-pandêmico, acumula avanço de 4,7% no ano e de 3,6% nos últimos doze meses.





Segundo a entidade federal, o resultado positivo atingiu sete das oito atividades investigadas.

A maior alta ficou com o grupo de móveis e eletrodomésticos (24,8%), seguido pelos setores de tecidos, vestuário e calçados (13,8%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (10,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,7%), livros, jornais, revistas e papelaria (3,8%), combustíveis e lubrificantes (3,4%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,9%).

Leia também:   Banco Central prevê alta de 12,6% no crédito concedido por bancos

Por outro lado, o setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo foi o único que registrou retração na comparação mensal, com queda de 1,7%.

O IBGE apontou que essa queda fez com que o índice geral não fosse maior em abril, já que o setor representa quase metade do volume de vendas pesquisado.

“O consumo das famílias se modificou em termos de estrutura no começo da pandemia. O que tem acontecido é que, em alguns setores, o consumo tem se concentrado em momentos específicos do ano. Antigamente, esses momentos eram muito marcados, como a Black Friday e o Natal, agora o cenário mudou”, comenta o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Enquanto isso, no comércio varejista ampliado, que inclui, além do varejo, as atividades veículos, motos, partes e peças (20,3%) e de material de construção (10,4%), o aumento no volume de vendas foi de 3,8%. Ambas as atividades haviam recuado no mês anterior.





Leia também:   Taxa de desemprego recua para 13,7% entre maio e julho e fica abaixo do esperado pelo mercado

Comparação anual

De acordo com o IBGE, em relação a abril de 2020, o volume de vendas no varejo cresceu 23,8%. É a segunda taxa positiva consecutiva nessa base comparativa.

Para a ler a pesquisa na íntegra, acesse aqui.

Foto: Pixabay

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

TradeMap + B3 apresenta! 🤩

Banner Curso Small Caps TradeMap Educa B3 compac