Vale atualiza informações sobre a mina de Mariana interditada

Companhia afirma que não há risco iminente de ruptura e que começou teste para uso de trem não tripulado.

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

No último dia 09, a Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais afirmou que uma das barragens da Vale (VALE3), localizada em Mariana, corria “grave e iminente risco de ruptura por liquefação”. 

Trata-se da barragem Xingu, na mina Alegria, interditada desde março de 2020 pela Agência Nacional de Mineração (ANM), por medidas de segurança aos trabalhadores. 





Nesta quarta-feira, 16, a Vale atualizou as informações sobre a situação em comunicado ao mercado. A mineradora confirmou que o acesso de trabalhadores e a circulação de veículos na zona da inundação da barragem Xingu continuam suspensos, inclusive a área da mina Alegria.

Leia também: Barragem da Vale em Mariana é interditada por risco de ruptura

Por enquanto, acrescenta em comunicado ao mercado, “é permitido apenas, mediante rigoroso protocolo de segurança, o ingresso de pessoas que trabalham nas atividades de estabilização da estrutura e nas ações estruturantes para implementação do trem não tripulado”.

Após a interdição, a companhia iniciou testes para a implantação de um trem não tripulado, com carga reduzida para operar no local. Durante a fase de testes do trem, há menor circulação de composições no ramal, com velocidade reduzida e retorno gradual da carga transportada. 

De acordo com a Vale, esta implementação do trem não tripulado permitirá o uso de um trecho de 16 km por meio de sistema de controle integrado, capaz de realizar operações de aceleração e frenagem dinâmica de forma automática.

“Espera-se que, ao fim dos testes e da implantação, que devem durar entre um e dois meses, a usina de Timbopeba seja capaz de manter a operação em cerca de 80-100% de sua capacidade diária de 33 mil toneladas”, informa a empresa.





Risco de ruptura 

A companhia ressalta que a Barragem Xingu permanece em nível 2 de emergência, conforme Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM), em que não há risco iminente de ruptura. 

Em visita técnica realizada na terça-feira, 15, pela Agência Nacional de Mineração (ANM), a instituição confirmou que não há risco iminente ou alteração na condição da estrutura. 

De acordo com a Vale, a barragem é monitorada e inspecionada por uma equipe técnica especializada e está incluída no plano de descaracterização de barragens da companhia. Por máxima cautela, a Zona de Autossalvamento (ZAS) da Barragem Xingu permanece evacuada, sem a presença permanente de pessoas na área, conclui a empresa.

Leia também:   Grupo Soma levanta R$ 883,4 mi em follow on

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp