Powell e Yellen fizeram seus discursos nesta tarde

O Presidente do Fed e a secretária do Tesouro dos Estados Unidos deram seus testemunhos nesta terça-feira

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Na tarde desta terça-feira, 23, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos e o presidente do Federal Reserve (Fed) fizeram suas declarações durante uma audiência do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados. 

Yellen 





A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, indicou em seu discurso inicial que, além do alto número de empregos perdidos durante a pandemia, ao menos 22 milhões de cidadãos não estão tendo comida suficiente para comer. 

Apesar dos últimos indícios de recuperação na economia do país, Yellen diz que sua situação ainda é assustadora e que o governo federal deve agir rapidamente para viabilizar a plena geração de empregos nos EUA, considerando o saldo de 9,5 milhões de americanos que perderam seus empregos.  

Segundo a secretária, o pacote de US$ 1,9 trilhão aprovado ainda este mês pelo Congresso irá ajudar a resolver somente uma parcela dos problemas. 

Leia também:   Mudanças na MP da Eletrobras custarão R$ 41 bi aos consumidores, segundo associações

Em sua visão, o país ainda deverá tomar novas medidas para se recuperar da crise e para superar as desigualdades socioeconômicas que se tornaram ainda mais intensas após a pandemia, além de investir em infraestrutura e no combate às mudanças climáticas. 

Powell 





O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, reiterou que pode ocorrer um processo de inflação no país em curto prazo, mas que não será intenso ou persistente. 

Segundo Powell, a autoridade monetária possui ferramentas adequadas para encarar elevações abusivas de índices de preços e irá usá-las caso haja necessidade. 

Além disso, enfatizou que o banco está olhando “cuidadosamente” para a estabilidade financeira do país e que irá se mover devagar antes reduzir qualquer estímulo monetário. 

Foto: Unsplash

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp