Pedidos de seguro-desemprego nos EUA cai para 444 mil

Estados cogitam retirar o subsídio de US$ 300 semanais para incentivar a busca por emprego fixo no país.

EUA Pixabay
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

Os pedidos de seguro-desemprego estadual dos Estados Unidos diminuíram em 34 mil solicitações, totalizando 444 mil pedidos na semana encerrada em 15 de maio, de acordo com os dados divulgados nesta quinta-feira, 20, pelo Departamento do Trabalho do país.

A estimativa dos economistas ouvidos pela Bloomberg era de 450 mil pedidos para o período, com isso, os números vieram abaixo do esperado e reforçam a tese de recuperação econômica forte no país, impulsionada pela diminuição das restrições aos negócios por lá. 

Enquanto isso, os dados da semana anterior foram revisados ligeiramente para cima, de 473 mil para 478 mil, sendo os estados de Geórgia, Kentucky e Texas os que apresentaram as maiores quedas na semana que passou. 

As solicitações permanecem bem acima da faixa de 200 mil a 250 mil considerada consistente com um mercado de trabalho saudável, entretanto elas recuaram de um recorde de 6,149 milhões no início de abril de 2020 para menos de 500 mil agora.

A média móvel de quatro semanas, que apresenta um valor menos volátil do que os números semanais, caiu em 30,5 mil pedidos, para 504,75 mil. Já os pedidos contínuos tiveram um aumento inesperado de 111 mil, para 3,751 milhões.

Estados cortam benefícios de US $ 300

Mais de três quartos dos estados liderados pelos republicanos planejam encerrar antecipadamente o subsídio de US$ 300 semanais de auxílio-desemprego, à medida que as reivindicações atingem seus menores níveis na  pandemia.

Esta semana, Texas, Oklahoma e Indiana juntaram-se à lista de pelo menos 21 estados que estão cortando o acesso aos benefícios federais, depois que o relatório de empregos veio mais fraco do que o esperado em abril e gerou preocupações de escassez de mão de obra.

O presidente Biden defendeu os benefícios e disse que seu governo deixaria claro que as pessoas não podem recusar empregos adequados e continuar recebendo benefícios, exceto em circunstâncias específicas.

De acordo com o governo democrata, outros fatores estão impedindo a procura de emprego, como o medo dos trabalhadores de ficarem doentes durante a pandemia e a falta de creches em tempo integral.

Leia também:   "Estamos apenas no início do ciclo de crescimento da economia", diz Howard Marks, da Oaktree

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Dias
Horas
Min.
Seg.