img-tag

Governo Central registra déficit primário de R$ 20,9 bi em maio

Apesar de negativo, o resultado veio acima das projeções do Ministério da Economia de déficit de R$ 49,7 bilhões

Equipe TradeMap
Equipe TradeMap
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Após dois meses positivos, as contas do Governo Central reportaram déficit primário. Em maio, o resultado foi negativo em R$ 20,947 bilhões, de acordo com dados publicados pela Secretaria do Tesouro Nacional nesta terça-feira, 29.  

No mês anterior, foi registrado um superávit de R$ R$ 23,257 bilhões. 





Enquanto isso, em maio de 2020, houve déficit de R$ 126,636 bilhões, reflexo dos gastos extras em medidas para o combate à covid-19. 

O déficit primário ocorre quando as despesas ultrapassam as receitas com tributos e impostos. Nessa conta, não se consideram os gastos do governo com pagamento de juros de dívida pública.   

Apesar de negativo, o resultado veio acima das projeções da pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Economia, que previam um déficit de R$ 49,7 bilhões. 

No acumulado do ano até o mês em análise, o resultado primário foi positivo em R$ 19,911 bilhões, o melhor resultado para o período desde 2015, quando fechou em R$ 5,027 bilhões. 

Já no mesmo período do ano anterior, o resultado foi negativo em R$ 222,493 bilhões. 

Receitas  

A receita líquida do Governo Central cresceu 93,4% em termos reais no mês de maio na comparação com o mesmo mês do ano passado, para R$ 112,876 bilhões. 





No acumulado do ano, a receita líquida subiu 26,9% em termos reais contra 2020, somando R$ 621.448,1 bilhões. 

“Foi uma melhora muito significativa”, enfatizou Jeferson Bittencourt, secretário do Tesouro Nacional, durante entrevista. “As receitas vêm tendo uma performance bastante expressiva.”

O aumento do indicador no mês é resultado do aumento das receitas administradas (+R$ 40,4 bilhões), receitas não administradas (+R$ 12,3 bilhões) e arrecadação líquida para o RGPS (+R$ 11,6 bilhões), compensado pelo crescimento nas transferências por repartição de receita (+R$ 9,8 bilhões). 

Despesas 

As despesas totais registraram queda de 31,4% na mesma comparação, já descontada a inflação pelo IPCA, totalizando R$ 133.823,4 bilhões.  

Em 2021 como um todo, recuaram 17,3% em termos reais no comparativo aual, chegando a R$ 601.536,6. 

Foto: Agência Brasil

Leia também:   Alíquotas do IOF sobem a partir de 20 de setembro

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais