FMI revisa projeção do PIB brasileiro de -5,3% para -9,1% em 2020

FMI, foto de Yuri Gripas - Reuters
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

[vc_column width=”1/1″][vc_column_text css=”.vc_custom_1580925754915{padding-right: 13% !important;padding-left: 13% !important;}”]

O Fundo Monetário Internacional (FMI) ampliou a projeção do tombo da economia brasileira em 2020, passando de -5,3% para -9,1%. O Boletim Focus divulgado na última segunda-feira, contudo, prevê uma retração de 6,5% do Produto Interno Bruto (PIB).

Apesar de ter reduzido a previsão de crescimento para a economia do Brasil, o FMI não detalhou os motivos que levaram à piora nas expectativas. De uma forma geral, o fundo apenas citou as dificuldades em que alguns países na América Latina ainda encontram para controlar o avanço do novo coronavírus.

“Na América Latina, onde a maioria dos países ainda luta para conter as infecções, as duas maiores economias, Brasil e México, devem contrair 9,1% e 10,5%, respectivamente, em 2020”, informou de forma sucinta.

Por outro lado, o FMI expandiu suas expectativas de crescimento do PIB brasileiro em 2021, de 2,9% para 3,6%.

“Para as economias que ainda lutam para controlar as taxas de infecção, a necessidade de continuar com os bloqueios e o distanciamento social terá um custo adicional para as atividades”, afirma o Fundo em seu relatório.

Economia global

Enquanto isso, o FMI também revisou sua previsão para o PIB global, passando de um recuo de 3% para uma queda de 4,9% neste ano.

De acordo com o Fundo, a pandemia de covid-19 teve um impacto negativo pior no primeiro trimestre do que o antecipado anteriormente, nas projeções anunciadas em abril. Para o FMI, a recuperação deve ser ainda mais lenta e gradual do que o esperado.

Para 2021, a instituição prevê uma expansão mundial de 5,4%. Em abril, a perspectiva era de crescimento de 5,8%.

Foto: Yuri Gripas/Reuters

[/vc_column_text][/vc_column]

Leia também:   Dólar mais perto de R$ 5 ou acima de R$ 6? O que esperar do câmbio em 2022

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Dias
Horas
Min.
Seg.