Crise financeira pode ser mais longa, diz presidente do BC

Roberto Campos Neto, foto de Agência Brasil

A crise financeira provocada pela pandemia do novo coronavírus “pode ser mais longa e o desvio fiscal pode ser maior”, disse o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na última quarta-feira, 20.

→ Leia também: IBC-Br registra queda de 5,9% em março, diz BC

Durante um evento virtual, Campos Neto ressaltou que o governo, atualmente, está fazendo um “desvio fiscal”, mas com a indicação de que voltará para os “trilhos”.

Em meio à crise, o governo federal lançou uma série de programas de auxílio às famílias e empresas nos últimos meses. Segundo a Agência Estado, boa parte deles aumenta as despesas do Tesouro, o que prejudica o controle fiscal.

No início de maio, o Ministério da Economia estimou um rombo de R$ 601,2 bilhões para o setor público em 2020, devido aos gastos com a crise. O número equivale a 8,27% do Produto Interno Bruto (PIB).

Autonomia do BC

O presidente da autarquia também comentou que o projeto de autonomia da instituição está pronto para ser votado. Ele ainda disse que o BC não está atrasando nenhum projeto em função da pandemia.

“Seguimos com o projeto open banking dentro do previsto. Não está atrasado”, afirmou.

Foto: Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no whatsapp

Assine a nossa Newsletter!