Bolsas mundiais são movidas a preocupação com inflação e alta das commodities

Cenário interno é movido por CPI da Covid-19 e balanços do primeiro trimestre.

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Bolsas asiáticas fecharam em queda nesta terça-feira, 11, com preocupação sobre possível aumento da inflação. Isso porque, na segunda-feira, 10, dados vindos da China mostraram que os preços no país subiram mais do que o esperado para o mês de abril.

O índice de preços ao consumidor (CPI) da China subiu 0,9% em abril, na comparação anual, em linha com a previsão. Enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) de lá subiu 6,8% na comparação anual entre abril 2020-2021, maior do que o esperado. 





Também operam no negativo as bolsas europeias e os futuros dos EUA. Este aumento da aversão ao risco é fruto da maior preocupação com a inflação, que já preocupa os investidores a tempos e aumenta conforme os preços das commodities também aumentam nos últimos tempos.

Leia também:   CVM lança audiência para reformar as regras de BDRs

Investidores temem que o Fed mude a sua política monetária, mesmo que a instituição já tenha sinalizado inúmeras vezes que não pretende fazer alterações enquanto não houver sinais claros de recuperação do emprego no país norte-americano.

Por falar em commodities, investidores continuam monitorando o progresso na reabertura do maior oleoduto de produtos petrolíferos dos EUA, que acabou paralisado por um ataque cibernético no final de semana.

Enquanto isso, os riscos de uma nova variante da Covid-19 na Índia deixa o mundo em estado de alerta, após a Organização Mundial de Saúde classificar a propagação desta nova cepa como mais intensa.

Cenário interno 

No Brasil, investidores mantém no radar a CPI da Covid-19 com o depoimento do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, programado para hoje.





Leia também:   Novas bolsas poderão emitir BDRs na B3, informa CVM

O cenário político também conta com novas denúncias de desvios de recursos. No final de semana, o jornal Estado de S.Paulo fez uma denúncia em que afirma que o Presidente da República, Jair Bolsonaro, criou um “orçamento paralelo” para favorecer deputados e senadores em troca de apoio no Congresso. 

Com isso, a Procuradoria da República pediu que o TCU investigue os R$ 3 bilhões de “orçamento paralelo” usado para  comprar tratores e outras máquinas agrícolas com valores superfaturados.

Ainda no campo político, o relator da reforma tributária apresenta nesta terça-feira seu parecer final.

Outra preocupação que continua no radar é com o andamento da vacinação. Por falta de vacina e de insumos vindos da China, o processo de imunização do país segue atrasado, com diversos estados e municípios com a agenda paralisada.

Leia também:   Bolsas mundiais operam mistas nesta segunda-feira

Na agenda econômica do dia a Ata do Copom e o IPCA são destaques. Já a temporada de balanços do primeiro trimestre continua intensa.

O dia reserva a divulgação dos resultados do BTG Pactual (BPAC11) e da Klabin (KLBN11) antes da abertura do mercado. Após o fechamento é a vez do Banco Inter (BIDI11), Carrefour (CRFB3), BR Distribuidora (BRDT3), Notredame Intermédica (GNDI3), SulAmérica (SULA11) e Telefônica (VIVT3).

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp