Barragem da Vale em Mariana é interditada por risco de ruptura

De acordo com a Superintendência do Trabalho de Minas Gerais, a estrutura apresenta risco iminente para os trabalhadores.

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais afirmou nesta quarta-feira, 09, que uma das barragens da Vale (VALE3), localizada em Mariana, corre “grave e iminente risco de ruptura por liquefação”. 

Trata-se da barragem Xingu, na mina Alegria, que está interditada desde março de 2020 pela Agência Nacional de Mineração (ANM). Por medidas de segurança, promotores também ordenaram a evacuação e interrupção da produção na mina Timbopeba e em parte da mina Alegria. 





De acordo com a Vale, a barragem Xingu não recebe rejeitos de minério de ferro há mais de 20 anos, porém alguns trabalhadores ainda executam atividades no local, motivo que levou os fiscais trabalhistas até ela. 

O rompimento da Xingu causaria soterramento de trabalhadores na cidade de Mariana, em um desastre de magnitude proporcional ao do rompimento da Samarco, em 2015, segundo a superintendência. Naquele episódio, 19 pessoas morreram e a cidade ainda não se recuperou totalmente. 

Em seguida, no ano de 2019, ocorreu o desastre de Brumadinho, outra cidade de Minas Gerais, que matou quase 300 pessoas e algumas ainda se encontram desaparecidas. 

Na sexta-feira, 04, a Vale informou a paralisação da ferrovia Fábrica Nova, que transporta minério de ferro produzido na Usina Timbopeba, que também está paralisada. Com isso, a produção da empresa sofreu um impacto de 33 mil toneladas de minério de ferro por dia. 

Em comunicado, a mineradora alegou que não há “risco iminente de ruptura” da estrutura de Xingu e chegou a solicitar uma suspensão parcial da interdição, que foi negada. Para suspender o bloqueio do órgão trabalhista, a Vale deverá adotar diversas medidas técnicas de proteção. 





Indenizações por Brumadinho 

Até o momento, a Vale concluiu acordos de indenização com mais de 10,3 mil atingidos pelo rompimento das barragens em Brumadinho (MG), em janeiro de 2019, e por desocupações em consequência do desastre. 

Na segunda-feira, a mineradora informou o pagamento de mais de R$ 2 bilhões em acordos, envolvendo 2,4 mil pessoas em 1,4 mil processos trabalhistas e outros 3,6 mil processos cíveis com 7,9 mil pessoas contempladas. 

Em paralelo, a companhia assinou em fevereiro um acordo de R$ 37,69 bilhões com diversas autoridades mineiras, com foco na reparação de danos coletivos causados pelo rompimento da barragem, que deixou cerca de 270 mortos, além de atingir residências, rio e florestas da região.

Leia também:   Ambipar adquire 70% de participação na Centro Oeste Resíduos

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp