Aneel aprova reajustes da Energisa, Equatorial e Neoenergia

Na última terça-feira, a agência reguladora aprovou os reajustes tarifários para as companhias

Energia Pixabay

Foto: Pixabay

Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a quinta revisão tarifária periódica da Energisa Paraíba, controlada da Energisa, com efeito médio total de 7,08%.

Os consumidores de baixa tensão terão uma revisão de 6,53%, enquanto os de alta e média tensão de 9,09%.

Segundo o comunicado ao mercado da companhia elétrica, o reajuste será aplicado a partir de sábado, dia 28 de agosto.

Equatorial

Na mesma linha, a Aneel também aprovou o resultado definitivo da 5ª revisão tarifária periódica da Equatorial Maranhão, que também vai ser aplicada a partir do próximo sábado.

“Considerando-se os componentes financeiros incluídos nas tarifas da companhia, o efeito médio a ser percebido pelo consumidor neste processo tarifário será de 2,79%”, disse a empresa em nota.

Leia também:   IPCA-15 avança 1,17% em novembro; alta é a maior para o mês desde 2002

De acordo com a Equatorial, a base de remuneração líquida totalizou R$ 4,366 bilhões, com base em valores de agosto deste ano.

Quanto às perdas regulatórias reconhecidas na tarifa da companhia, a Aneel aprovou o percentual de 10,81% para o índice de perdas técnicas sobre energia injetada, e 9,51% para as perdas não técnicas sobre mercado de baixa tensão, sem trajetória, ou seja, permanecendo estáveis durante o ciclo.

Já para os indicadores de qualidade referentes ao ano que vem, ficaram aprovadas as metas regulatórias de 15,44 horas e 9,33 vezes para DEC e FEC, respectivamente.

Neoenergia

Por sua vez, a Neoenergia informou que a agência reguladora aprovou o reajuste tarifário médio de 11,49% da Elektro Redes, a partir de sexta-feira (27).

Leia também:   Genial prevê PIB menor e inflação e juros maiores ao final de 2021

Dessa forma, os consumidores de baixa tensão serão revisados em 12,89% e os de alta e média tensão em 8,84%.

“O uso dos créditos tributários referentes à exclusão do ICMS da base do PIS e Cofins e a antecipação da reversão para modicidade tarifária das receitas de ultrapassagem de demanda e excedente reativo constituídas até julho de 2021 contribuíram para redução do efeito médio para o consumidor”, destacou a Neoenergia em nota.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Horas
Min.
Seg.

Não vá ainda...
Olha só o que tá rolando!

Popup Banner Black Week 3 1