Navegue:
Vai renovar o seguro do carro? Preços já sobem 40% e reajustes só se estabilizam em outubro

Vai renovar o seguro do carro? Preços já sobem 40% e reajustes só se estabilizam em outubro

Com retomada das atividades, sinistros sobem e seguradoras aumentam valores cobrados do consumidor

Veículos seguro automovóvel

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Chegou a hora de renovar o seguro do veículo ou comprou um carro novo? A reação deve ter sido o susto com o aumento dos preços. Em média, essa modalidade subiu 40% no acumulado dos últimos 12 meses, e uma estabilização só deve ocorrer a partir de outubro.

Uma tempestade mais que perfeita justifica essa elevação, que teve início em meados do ano passado por parte das seguradoras: aumento do preço dos veículos, maiores custos de manutenção (as peças e os serviços também subiram no período) e a volta dos sinistros com a retomada das atividades após o controle da pandemia de Covid-19.

O valor do seguro subiu 40,18% nos 12 meses encerrados em junho, segundo dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Até o final de 2020, o comum era o proprietário do veículo ver uma redução ou ao menos estabilidade nos preços.

De acordo com Manes Erlichman, vice-presidente e diretor técnico da Minuto Seguros, que pertence à Creditas, esse comportamento perdurou até o início da pandemia. No início das restrições impostas pela Covid-19, as seguradoras ainda deram alguns descontos e houve queda na circulação de veículos – menos carros na rua significa menor chance de acidente ou roubo.

“A circulação voltou em 2021, com maior sinistralidade tanto em roubos como acidentes. Para complicar, o preço dos veículos subiu, então as indenizações pagas ficaram acima do projetado”, explica.

Leia mais:
Inflação de alimentos vai, no mínimo, parar de piorar – e especialistas explicam por quê

De fato, as seguradoras registram um ritmo de crescimento das indenizações (sinistros) acima daquele registrado pelo valor pago pelos clientes (prêmios).

No ano passado, os sinistros totalizaram R$ 15,5 bilhões, um crescimento de 18,3% na comparação com 2020. Já os prêmios subiram 10,6%, para R$ 25,2 bilhões, segundo dados da Susep (Superintendência de Seguros Privados). Em 2022, uma aceleração ainda maior. Nos quatro primeiros meses do ano, os sinistros avançaram 51,8% (R$ 6,9 bilhões) e os prêmios subiram 32,1% (R$ 9,7 bilhões).

Com os sinistros crescendo em um ritmo acelerado, restou às seguradoras repassarem esse aumento de gasto para o preço dos seguros. É possível ver diferenças de preços mesmo em cotações feitas com poucos meses de diferença.

Levantamento da Minuto Seguros mostra que o valor médio do seguro para um Ônix Hatch zero quilômetro era de R$ 1.880,62 em janeiro. Em maio, para o mesmo carro, já havia subido para R$ 2.300,43, uma alta de 22,3%.

“Para quem vai renovar, ainda vai ter um reajuste. A estabilização só vai ser sentida mais para outubro”, diz Erlichman.

Troca ou redução de cobertura são opções

Nesse cenário, uma das alternativas do segurado tem sido trocar a seguradora ou reduzir as coberturas contratadas. Por exemplo, ter um carro reserva por só sete dias e não mais 30 ou reduzir a cobertura para terceiros.

A Porto Seguro (PSSA3), a principal seguradora de veículos do país, registrou no primeiro trimestre do ano uma sinistralidade (relação entre os custos e as receitas) de 65,3%. Em igual período de 2021, era de 50,2% e, no primeiro trimestre de 2020, 56,3%.

O objetivo é voltar ao nível pré-pandemia e, para isso, a conta ao cliente ficará mais salgada. “Realizamos ajustes na precificação e subscrição de riscos, que deverão se refletir gradualmente nos resultados”, segundo o último release de resultados.

O aumento do valor do seguro é só mais um que o proprietário de veículos tem enfrentado. Os custos de aquisição e manutenção desse bem têm subido muito acima da inflação.

IPCA veículo automóvel

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ficou em 11,9% no acumulado dos 12 meses encerrados em junho. No mesmo período, o valor dos veículos novos subiu 18% e o dos usados, 14,9%.

Os insumos para a fabricação de veículos subiram, como o aço. Outro fator que explica o aumento dos preços foi a quebra na cadeia de produção de veículos. A pandemia causou a falta de semicondutores em escala global, e a guerra na Ucrânia agravou essa situação.

Sem essas pequenas peças, as montadoras precisam suspender a produção ou escolher qual modelo irão privilegiar. Com menos veículos novos, subiu a procura pelos usados, elevando os preços. A expectativa é que a produção dos semicondutores só seja normalizada entre o final de 2023 e início de 2024.

⇨ Acompanhe seus ganhos e gastos e cuide melhor do seu dinheiro. Baixe o GranaMap!

Compartilhe: