Navegue:
Sinqia (SQIA3) eleva a margem Ebitda e mira média da concorrência; ações disparam

Sinqia (SQIA3) eleva a margem Ebitda e mira média da concorrência; ações disparam

A empresa tem como objetivo no médio prazo alcançar a margem Ebitda dos principais concorrentes globais do setor

Sinqia Divulgacao

Foto: divulgação

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A Sinqia, empresa de tecnologia que desenvolve softwares para instituições do setor financeiro, publicou os seus resultados do primeiro trimestre na noite de segunda-feira (9) e realizou teleconferência com analistas na manhã desta terça (10).

O principal destaque da companhia foi a divulgação de uma margem Ebitda de 26,1% no período, que representou avanço de 7,9 pontos percentuais em comparação com o mesmo trimestre de 2021 e mostrou que a empresa está no caminho para atingir o seu objetivo de alcançar o patamar das principais empresas do setor.

Por volta das 16h20, o preço da ação avançava 10,09% e se destacava entre as maiores altas do dia, cotada a R$ 18,02.

Na teleconferência, Thiago Rocha, CFO da empresa, disse que a meta é tornar a empresa mais lucrativa e alcançar a rentabilidade das concorrentes globais do setor, que atualmente reportam uma margem Ebitda em torno de 30%.

No médio prazo, segundo o executivo, a empresa espera reduzir os custos e gerar maior receita por meio da unificação dos produtos oferecidos e de maior sinergia gerada pelas aquisições realizadas nos últimos cinco trimestres. Para este ano, a margem deve se manter estável.

Hoje, com as aquisições que foram feitas, a empresa conta com um portfólio de 11 produtos, sendo dois voltados para bancos, seis para previdências e três no segmento de consórcios. A ideia da companhia, a partir das integrações com as companhias adquiridas, é ter um único produto por divisão e, como consequência, poder reduzir os custos e aumentar as vendas cruzadas para os clientes.

Nos resultados apresentados, os custos totalizaram R$ 80,6 milhões no primeiro trimestre, avanço de 87,6% em comparação com o mesmo período de 2021.

Boa parte desse aumento é referente aos custos de aquisição das empresas, no valor total de R$ 30,7 milhões. Caso não houvesse este custo, considerado não recorrente, o avanço seria menor, de 33,1%.

Segundo Rocha, a margem da Sinqia cresceu no primeiro trimestre porque as empresas recém-adquiridas apresentam baixas despesas, em comparação às receitas que geram.

A receita líquida de R$ 138,8 milhões, neste primeiro trimestre de 2022, é mais que o dobro das receitas do mesmo período de 2021. Do total, R$ 74,4 milhões são provenientes de atividades operacionais já existentes na empresa e R$ 64,5 milhões são referentes aos resultados das empresas adquiridas.

Embora algumas empresas não tenham sido consolidadas desde o início do ano, as aquisições foram de fundamental importância para alcançar um Ebitda ajustado recorde de R$ 36,2 milhões, avanço de 191,7% em comparação com o primeiro trimestre de 2021.

O lucro líquido para o primeiro trimestre do ano foi de R$ 9,7 milhões, 12,4 vezes superior ao resultado do primeiro trimestre de 2021. A margem líquida avançou 5,8 p.p., para 7%, em comparação com o mesmo período de 2021.

Com o fim da consolidação das aquisições, a empresa ainda deve colher os frutos da maturação das sinergias que, consequentemente, devem reduzir os custos das operações.

Fome de aquisições

Desde o início de 2021, a Sinqia fez seis aquisições.

Em março do ano passado, adquiriu 60% da FEPWeb, por R$ 38 milhões, e a Simply, por R$ 56 milhões, ambas voltadas para soluções digitais (cadastro e transações).

Em seguida, adquiriu a Mercer Seguridade, por R$ 35 milhões. A empresa compõe a divisão de previdência que oferece software e serviços para entidades fechadas de previdência complementar. A quarta empresa foi a QuiteJá, que atua no segmento de recuperação de créditos para terceiros, por R$ 38 milhões.

A maior aquisição da companhia aconteceu em dezembro de 2021, com a compra da Newcon, por R$ 422,5 milhões, empresa atuante no setor de desenvolvimento de software para consórcios.

Já no ano de 2022, em janeiro, a empresa concluiu a compra mais recente, da Lote45, que oferece soluções para gestão de portfólio e controle de riscos, por R$ 79,5 milhões.

A Sinqia, porém, não pretende parar as aquisições por aí. Com R$ 200 milhões em recursos disponíveis, a Sinqia espera investir em novas empresas que atuam no segmento de soluções para setores bancários, fundos e fintechs.

Contudo, o CFO da empresa reconhece que os recursos podem não ser suficientes para fazer grandes aquisições e a empresa terá que ser seletiva na escolha de uma nova adquirida, pois não pretende fazer novas capitalizações, ao menos por enquanto.

Visão do mercado

De acordo com dados compilados pela Refinitiv e apresentados na plataforma TradeMap, os seis analistas consultados entendem que é um momento de oportunidade para compra do papel da companhia. A mediana das estimativas aponta para um preço-alvo de R$ 28,50, uma potencial valorização de 58,16%.

 

 

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp