Navegue:
Ritmo de vendas da Cyrela (CYRE3) perde força na reta final de 2021 e ação cai

Ritmo de vendas da Cyrela (CYRE3) perde força na reta final de 2021 e ação cai

Proporção de vendas de imóveis realizadas em relação a todas as unidades que estavam à venda caiu para 44% nos 12 meses até dezembro

Cyrela - foto divulgação
Por:

Compartilhe:

Por:

A Cyrela (CYRE3) terminou 2021 a passos mais lentos. A proporção de vendas de imóveis realizadas em relação a todas as unidades que estavam à venda caiu para 44% nos 12 meses encerrados em dezembro, contra 49,6% nos 12 meses finalizados em setembro, mostram as prévias operacionais da empresas, publicadas na noite de quinta-feira, dia 13.

A diminuição representa um sinal de perda de força da demanda. Desde o ano passado, o mercado imobiliário tem assistido à alta dos juros, que acabam sendo um freio para o financiamento de imóveis. A taxa básica de juros da economia, que caiu para 2% ao ano no início da pandemia, em 2020, no menor nível da história, já está em 9,25% e deve continuar subindo em 2022.

“Em termos gerais, a empresa teve um ano bom, porém demonstra sinais claros de desaceleração que deve se evidenciar em menos lançamentos nos próximos trimestres”, afirma a Genial Investimentos, em nota.

Por volta das 12h10, a ação da Cyrela caía 0,56%, a R$ 14,11.

Nos últimos três meses de 2021, a Cyrela já teve queda nos lançamentos. No período, a companhia pôs no mercado 17 novos empreendimentos, oito a menos que no último trimestre de 2020.

Trata-se também de uma redução do potencial de vendas com os lançamentos feitos. O Valor Geral de Vendas (VGV), indicador que mede o quanto os imóveis lançados podem render em receita, caiu 11,1% no quarto trimestre do ano passado, para R$ 2,5 bilhões, em relação a igual período de 2020.

Apesar disso, os lançamentos terminaram o ano de 2021 em alta. Os imóveis lançados no ano passado somam R$ 7,1 bilhões, expansão de 21,6% em relação a 2020.

Em relação às vendas efetivamente realizadas, a Cyrela teve queda de 15,4% no quarto trimestre de 2021 em relação a igual período de 2020, para R$ 1,57 bilhão. No ano inteiro, porém, houve avanço de 12,2%, para R$ 5,5 bilhões.

No comunicado, a empresa ressalta que em função dos IPOs da JVsLavvi (LAVV3), Cury (CURY3) e Plano&Plano (PLPL3), empresas que pertenciam ao grupo, os números deste trimestre e de períodos anteriores serão apresentados de modo “pró-forma”, sem considerar os dados das três empresas.

Compartilhe:

Compartilhe: