Navegue:
Petróleo cai mais de 4% após mercado refazer contas sobre atividade econômica

Petróleo cai mais de 4% após mercado refazer contas sobre atividade econômica

Expectativa de juros maiores nos EUA e mais lockdowns na China deixam investidor preocupado com demanda por petróleo

Petróleo

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A perspectiva de juros subindo mais rápido nos Estados Unidos e de restrições à atividade econômica na China deixaram os investidores preocupados com uma potencial queda na demanda por petróleo e provocam queda nos preços da commodity nesta segunda-feira (25).

Por volta das 10h (de Brasília), o preço do petróleo tipo Brent – que serve como referência para o mercado internacional – caía 4,5% no mercado futuro da ICE, para US$ 101,86 por barril.

No final da semana passada, o presidente do banco central americano, Jerome Powell, indicou que a instituição pode acelerar o aumento de juros nos EUA para conter a aceleração da inflação. O mercado já esperava algo nessa linha, mas passou a se preparar para juros ainda maiores nos próximos meses.

O aumento dos juros, na prática, equivale a uma elevação no custo do dinheiro. Quando as taxas sobem, a tendência é de diminuição da atividade econômica.

Isso acontece porque empresas e consumidores passam a tomar mais cuidado na hora de gastar dinheiro e de se endividar, de forma a evitar pagar mais caro em empréstimos. O resultado disso é um enfraquecimento na demanda.

Os investidores também estão preocupados com um consumo menor na China, mas não por causa do aumento dos juros. Por lá, o fator que poderia diminuir a procura por petróleo e outros bens são as medidas do governo chinês para evitar a disseminação da Covid-19.

“Os receios em torno da demanda se intensificaram após Pequim fechar partes do distrito de Chaoyang, depois de o vírus chegar ali”, disse Fawad Razaqzada, analista de mercado da corretora City Index UK. “Isto gerou pânico porque as pessoas esperavam que os lockdowns diminuíssem em Xangai, e não que mais restrições fossem impostas em outros lugares”, acrescentou.

Razaqzada ressaltou que a notícia implica tanto um potencial enfraquecimento na demanda chinesa quanto a possibilidade de uma retomada dos problemas na cadeia de fornecimento das indústrias do país.

Compartilhe:

Tags:

Compartilhe: