Navegue:
Ibovespa fecha próximo da estabilidade na 4ª feira; no Brasil, resultados corporativos e indicadores econômicos estão no radar

Ibovespa fecha próximo da estabilidade na 4ª feira; no Brasil, resultados corporativos e indicadores econômicos estão no radar

Unsplash

Foto: Unsplash

Por:

Compartilhe:

Por:

Com as atenções dos investidores voltadas para a decisão sobre a taxa de juros, a cautela imperou e o Ibovespa encerrou a sessão da quarta-feira, 27, praticamente estável, com pequena variação negativa de 0,05%, aos 106.363 pontos. O índice acumula queda de 4,15% em outubro e de 10,63% em 2021. 

No exterior, as principais bolsas americanas fecharam o dia sem direção definida. Em Wall Street, o índice Nasdaq subiu 0,25%, aos 15.598 pontos. Enquanto isso, o Dow Jones caiu 0,74%, aos 35.491 pontos, e o S&P 500 teve queda de 0,51%, aos 4.552 pontos. 

Por aqui, os investidores seguiram atentos para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central sobre a elevação da taxa Selic, que foi divulgada após o fechamento de mercado.  

Copom decidiu subir a taxa básica da economia em 1,5 ponto percentual, a 7,75% ao ano, a maior alta desde dezembro de 2002, quando a taxa foi elevada em 3 pontos após a primeira vitória de Luís Inácio Lula da Silva em eleições presidenciais. 

A autoridade monetária ainda sinalizou nova elevação, da mesma magnitude, na próxima reunião, marcada para os dias 7 e 8 de dezembro. 

Durante o dia, as atenções do mercado foram divididas entre o cenário político e as divulgações de resultados corporativos.  

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios, que amplia o período em que o governo tem para quitar essas dívidas, no plenário da Câmara dos Deputados, esteve no radar ontem. A expectativa era de votação, mas a bancada do MDB decidiu obstruir a votação da proposta. 

Se o projeto passar a ser apreciado, a tendência é que a maioria dos deputados vote contra o avanço do texto. 

No cenário corporativo, foram divulgados os balanços do Santander, Inter, Getnet, Gerdau, WEG e Indústrias Romi antes do início das negociações. Após o encerramento do pregão, saíram os números da Log Com Prop, Movida, Odontoprev e Multiplan 

Para esta quinta-feira, 28, a agenda econômica reserva a divulgação do Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M) referente ao mês de outubro e as sondagens de serviços e comércio em outubro pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), além do resultado do Tesouro. 

A agenda corporativa referente ao terceiro trimestre de 2021 conta com o balanço da Gol (GOLL4) antes da abertura de mercado. Após o fechamento, será a vez da Grendene (GRDN3), Petrobras (PETR4), Fleury (FLRY3), Alpargatas (ALPA4), Arezzo (ARZZ3), Paranapanema (PMAM3), Vamos (VAMO3), Vale (VALE3) e Suzano (SUZB3). 

No exterior, será divulgada a taxa básica de juros da Zona do Euro pelo Banco Central Europeu (BCE) e os dados do número de pedidos de auxílio desemprego em outubro nos Estados Unidos. 

A bolsa de valores 

Na bolsa brasileira, o setor financeiro foi destaque na quarta-feira. Os bancos se beneficiam da elevação da taxa Selic devido à diferença entre o custo de captação e os juros cobrados dos clientes. 

O Bradesco (BBDC4) registrou as maiores altas do setor, com valorização de 1,33%, a R$ 20,56. Em seguida, vieram as ações do BTG Pactual (BPAC11), com alta de 1,06%, a R$ 22,80, Itaúsa (ITSA4), que subiu 0,48%, a R$ 10,52, e Itaú (ITUB4), que teve expansão de 0,76%, a R$ 23,92.  

As units do Inter (BIDI11) também tiveram ganhos, com avanço de 0,70%, a R$ 40,10, após divulgar seus números do terceiro trimestre. 

Do lado negativo do Ibovespa, as ações da PetroRio (PRIO3) lideraram as quedas, com recuo de 6,63%, a R$ 25,35, puxadas pela baixa de 2,44% do petróleo Brent, negociado a US$ 83,55 o barril, e pela projeção de crescimento dos estoques de petróleo bruto dos Estados Unidos. 

O setor de varejo seguiu pressionado pela expectativa da alta mais forte de juros pelo BC, esperada entre 1,25 e 1,5 ponto percentual. 

Os papéis do Méliuz (CASH3) caíram 4,55%, a R$ 3,57, acompanhados por Magazine Luiza (MGLU3), com queda de 3,17%, a R$ 11,60, Grupo Soma (SOMA3), com desvalorização de 3,32%, a R$ 13,70 e Alpargatas (ALPA4), que teve baixa de 2,55%, a R$ 42,79. 

A Getnet (GETT11) permaneceu no campo negativo, com recuo de 4,41%, a R$ 4,98, mesmo após registrar luro líquido de R$ 94 milhões no terceiro trimestre de 2021.  

A Gerdau (GGBR4) seguiu o mesmo caminho. Nem mesmo o lucro líquido de R$ 5,59 bilhões, 604% superior aos números do mesmo período do ano passado, foi suficiente para segurar o papel da companhia, que sofreu queda de 2,50%, a R$ 27,35. 

Compartilhe:

Tags:

Compartilhe: