Navegue:
Maior IPO de 2021, Raízen (RAIZ4) consegue aval da B3 para diminuir ações em circulação

Maior IPO de 2021, Raízen (RAIZ4) consegue aval da B3 para diminuir ações em circulação

No fechamento desta quinta, a ação era cotada a R$ 5,56, após queda de 3,64% no dia

Raízen (divulgação)

Foto: Divulgação

Por:

Compartilhe:

Por:

A Raízen, que se notabilizou em 2021 por ter realizado o maior IPO de 2021, com a captação de R$ 6,9 bilhões, vai diminuir a proporção de ações da companhia que está em circulação no mercado, o chamado free float.

A empresa de energia, que atua nos setores de açúcar e etanol, já havia manifestado a intenção à B3, mas estava aguardando a aprovação da bolsa brasileira, que deu a sua bênção nesta quinta-feira, dia 6 de janeiro, segundo comunicado publicado pela companhia.

Atualmente, 12% das ações da Raízen estão em ciculação no mercado. A retirada de parte delas se dará por meio de uma recompra dos papéis pela própria companhia. Com o aval da B3, a Raízen vai recomprar o equivalente a até 3,21% do total, ou 40 milhões de ações. A recompra tem prazo para ser feita em até 18 meses.

Mas o aval dado pela B3 exige uma contrapartida da Raízen. Até o fim do ano, a companhia terá de voltar a elevar a sua proporção de ações em circulação, para 15%.

De acordo com o comunicado da empresa, as ações serão recompradas agora para que a companhia possa cumprir com planos de remuneração em ações e “maximizar a geração de valor para os acionistas por meio de uma gestão eficiente de capital”. Vale ressaltar que o programa de recompra ainda precisa ser aprovado pelos acionistas da Raízen em assembleia geral.

No fechamento desta quinta, a ação era cotada a R$ 5,56, após queda de 3,64% no dia.

Joint venture

Na noite de quarta-feira, dia 5, a Raízen anunciou a formação de uma joint venture com o Grupo Gera, por meio da conclusão da aquisição dos ativos de geração de energia renovável do grupo.

No fato relevante de anúncio da aquisição, a Raízem afirmou que a joint venture “reforça a posição de liderança no processo de transição e descarbonização da matriz energética global, por meio da ampliação da oferta de energia mais limpa, renovável e sustentável”.

Compartilhe:

Compartilhe: