Navegue:
Ibovespa sobe e ultrapassa os 100 mil pontos, puxado pela alta de commodities

Ibovespa sobe e ultrapassa os 100 mil pontos, puxado pela alta de commodities

Desempenho positivo de ativos ligados a minério de ferro e petróleo ajuda a impulsionar o índice no primeiro pregão da semana

grafico de ações com notebook

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

O Ibovespa opera com valorização no primeiro pregão da semana, buscando voltar ao patamar dos 100 mil pontos. A performance positiva de ativos ligados ao minério e ao petróleo ajuda a impulsionar o índice, que subia 1,11% por volta das 13h25, aos 100.032 pontos.

A Weg (WEGE3) figurava entre as maiores altas, com ganho de 3,62% no mesmo horário. A empresa viu seus papéis recuarem mais de 6% depois da divulgação de seu balanço do segundo trimestre deste ano, entre quarta e quinta, mas ensaia uma recuperação desde o pregão de sexta-feira (22), quando avançou 2% no dia.

A Rede D’or (RDOR3) e a Sulamérica (SULA11), avançavam, respectivamente, 3,54% e 2,90% e também faziam parte dos papéis com as maiores valorizações no horário.

Na quarta-feira (21), o Itaú BBA divulgou um relatório com projeções otimistas para os resultados do segundo trimestre do setor de hospitais, citando a Rede D’Or como exemplo. De lá pra cá, ações da companhia já subiram mais de 12%, enquanto os da Sulamérica valorizaram mais de 10%.

Veja também:

Rede D’Or (RDOR3) segue firme no plano de expansão e quer subir novo degrau com SulAmérica (SULA11)

Na avaliação de Nícolas Merola, analista de investimentos da INV, o desempenho positivo do Ibovespa é acompanhado de uma exposição grande que a economia brasileira possui com a China.

Segundo ele, notícias positivas acerca de incentivos econômicos no gigante asiático animaram os mercados, fazendo o dólar também se desvalorizar perante o real.

Vale e Petrobras ajudam Ibovespa

Esse movimento na China favorece, principalmente, papéis ligados ao minério e ao petróleo. Num dia de avanço no preço das commodities pelo mundo, essas ações, que possuem grande peso no Ibovespa sobem, e ajudam a performance positiva.

Vale (VALE3), Petrobras (PETR3 e PETR4), estavam entre as maiores alta, com valorização de, respectivamente, 1,43%, 3,29% e 2,91%. Juntas, as três ações correspondem a quase 25% de todas as negociações da B3.

A tonelada do minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve alta de 7,08% nesta segunda-feira (25), sendo avaliado a 711,00 iuanes, o equivalente a US$ 105,31.

Ao mesmo tempo, os contratos futuros do petróleo tipo Brent, referência no mercado internacional, operam em alta com uma perspectiva de menor comercialização da commodity produzida na Rússia. Na ICE, cada barril de petróleo era cotado a US$ 104.97, uma valorização de 1,7% na comparação intradia . O mercado também avalia uma possibilidade de Moscou reduzir ainda mais o fornecimento de gás para a zona do euro.   

Outros papéis de empresas que atuam com commodities desses setores e que subiam com intensidade eram CSN (CSNA3), que ganhava 2,85%, Gerdau (GGBR4), que se valorizava 2,65%, e 3R Petroleum (RRRP3), que avançava 2,31%.

Merola, da INV, avalia que as notícias vindas da China, incluindo os US$ 44 bilhões em investimento no setor imobiliário no país, “fazem pressão no preço das commodities”, o que acaba favorecendo o Ibovespa.

“O Ibov é visto como um player para comprar commodities. Esse combo, de alta do índice mais a queda no dólar, traz um fluxo positivo de quem se anima com essa tese”, diz o analista.

⇨ Acompanhe seus ganhos e gastos e cuide melhor do seu dinheiro. Baixe o GranaMap!

Quedas do Ibovespa

Ações ligadas à economia interna e de tecnologia eram resposáveis pelas principais perdas de hoje. Locaweb (LWSA3) caía 5,79%, GPA (PCAR3) perdia 5,09%, Petz (PETZ3) recuava 4,26% e IRB (IRBR3) tinha desvalorização de 4%.

Merola, da INV, avalia que esse movimento de queda de empresas mais ligadas aos andamento dos juros é uma antecipação do buy side, ou seja, agentes do mercado financeiro que buscam boas oportunidades de compra de ativos diante dos balanços referente ao segundo trimestre que serão apresentados por essas empresas.

Para o analista, os investidores estão pessimistas com os resultados. “Existe um temor do mercado de estar posicionado nesses papéis durante a temporada de resultados. Teremos uma pressão grande nessas empresas na linha de resultado financeiro, já que, com taxas mais altas, as que dependem de empréstimos e capital de giro sofrem muito”, afirma.

Bolsas internacionais

Lá fora, os principais índices acionários operam em direções mistas. Na Europa, já perto do fechamento, o Euro Stoxx 50 mostrava estabilidade, enquanto o FTSE 100, do Reino Unido, avançava 0,31%, e o DAX 30, da Alemanha, perdia 0,52%.

No Velho Continente, a Alemanha reportou que a confiança empresarial caiu para o seu nível mais baixo desde o início da pandemia, ao mesmo tempo em que a inflação alta e a oferta limitada de energia russa aproximam a economia local de uma recessão.  

Em Wall Street, mais indefinições. Dow Jones subia 0,33%, S&P 500 ganhava 0,21% e o índice Nasdaq perdia 0,32%.

Por lá, o mercado monitora mais uma reunião de política monetária do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) na quarta-feira (27) e também outros resultados da temporada de balanços do segundo trimestre.

Nesta semana, diversas empresas de tecnologia, como Apple, Google, Microsoft, Meta e Amazon, reportarão seus números referentes ao intervalor de abril a junho deste ano.

Compartilhe:

Tags:

Compartilhe: