Navegue:
Casos de Covid-19 na China crescem e pesam sobre ações e preço do minério de ferro

Casos de Covid-19 na China crescem e pesam sobre ações e preço do minério de ferro

Preços do minério de ferro também caíram por receios de que restrições à circulação de pessoas será retomada e prejudicará demanda

operador em mesa de negociação de ações fala ao telefone

Foto Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Os casos de Covid-19 na China cresceram nos últimos dias e trouxeram cautela aos mercados financeiros do país, que fecharam em queda nesta segunda-feira (11).

O índice CSI 300, que reúne as maiores empresas listadas tanto na bolsa de Xangai quanto na bolsa de Hong Kong, recuou 1,67%.

Em Singapura, o preço dos contratos futuros de minério de ferro – um dos produtos amplamente consumidos pela China, que é o maior produtor de aço do mundo – caiu 1,78%, para US$ 110,90 por tonelada.

De acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, no domingo (10) a China registrou 3,4 mil novos casos da doença – nível quatro vezes maior que o observado há um mês, quando as cidades chinesas começaram a relaxar as restrições à circulação de pessoas.

⇨ Quer conferir quais são as recomendações de analistas para as empresas da Bolsa? Inscreva-se no TradeMap!

Estas restrições, cujo objetivo era mitigar a transmissão de Covid-19 e que na prática impediam os chineses de saírem de casa, são uma das causas apontadas por especialistas e empresas para o aumento nos preços de diversos produtos manufaturados.

Em Xangai, por exemplo, as medidas de lockdown afetaram o funcionamento de um dos principais portos do mundo e restringiram tanto a oferta quanto a produção de equipamentos em vários países – inclusive no Brasil.

Leia mais:
Montadoras reduzem previsão para vendas e veem mais 6 meses de dificuldade para obter peças

O ressurgimento dos casos de Covid-19 reviveu os receios com a possibilidade de a China retomar as restrições à circulação de pessoas – e, com isso, prejudicar ainda mais o cenário de recuperação econômica do país e da economia mundial.

“Mesmo após dados recentes sugerirem que a atividade econômica se recuperou rapidamente após o relaxamento das restrições ligadas à Covid-19 em junho, a política de Covid zero que segue em andamento e estas restrições devem limitar o crescimento da demanda”, disse o Rabobank em um relatório.

“No mês passado, baixamos nossa previsão para o crescimento do PIB da China para 2,8% em 2022, e ainda achamos que o consenso das expectativas, de 4,1%, ainda é muito otimista”, acrescentou.

Compartilhe:

Tags:

Compartilhe: