Navegue:
Petrobras reverte prejuízo e lucra mais de R$ 42 bilhões no 2º trimestre; companhia pagará R$ 31,6 bi em dividendos

Petrobras reverte prejuízo e lucra mais de R$ 42 bilhões no 2º trimestre; companhia pagará R$ 31,6 bi em dividendos

No acumulado do 1º semestre, a petroleira totaliza um lucro líquido de R$ 44 bilhões frente ao prejuízo de R$ 51,2 bilhões nos seis primeiros meses de 2020

petrobras divulgacao

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A Petrobras registrou um lucro líquido de R$ 42,8 bilhões no segundo trimestre deste ano, contra um prejuízo líquido de R$ 2,7 bilhões durante o mesmo período de 2020. Já em relação aos três primeiros meses de 2021, quando a companhia lucrou R$ 1,16 bilhão, o salto foi de 3.575,2%.

No acumulado do 1º semestre, a petroleira totaliza um lucro líquido de R$ 44 bilhões frente ao prejuízo de R$ 51,2 bilhões nos seis primeiros meses de 2020.

Em seu release enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a estatal aponta que o resultado positivo ocorreu devido às maiores margens de derivados e maiores volumes de vendas de óleo e derivados no mercado interno e de exportações.

Além disso, a Petrobras também associa o salto por conta dos ganhos cambiais devido à valorização do real frente ao dólar e ganhos de participações em investimentos, principalmente em decorrência da reversão de impairment da BR Distribuidora, refletindo a precificação do follow on.

Com isso, o número veio bem acima das projeções realizadas pelos analistas da Refinitiv, que esperavam por um lucro líquido de R$ 30,6 bilhões no período.

Enquanto isso, o resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, em português) ajustado ficou na casa dos R$ 61,9 bilhões, cifra 147,9% superior em comparação ao segundo trimestre do ano passado, quando reportou R$ 24,9 bilhões. Já no comparativo trimestral, o avanço foi de 26,5%.

Nos primeiros seis meses, o Ebitda da petroleira acumula ganhos de R$ 110,8 bilhões, ou seja, crescimento de 77,4% na comparação ano a ano.

De acordo com a Petrobras, o resultado ajustado do Ebitda foi influenciado pela valorização dos preços do petróleo do tipo Brent, além das maiores margens de derivados e ganho complementar com exclusão do ICMS da base de cálculos do PIS e Cofins.

Entre abril e junho, a receita líquida da estatal foi de R$ 110,7 bilhões, aumento de 117,5% na base anual e de 28,5% no comparativo trimestral. No semestre, a empresa acumula uma receita de R$ 196,8 bilhões, ou seja, avanço de 55,8% em relação há um ano.

Confira mais informações sobre a receita líquida por produtos da empresa na tabela abaixo:

Tabela PETR4

Dividendos bilionários

Ainda ontem, a Petrobras também informou que seu conselho de administração aprovou o pagamento de duas antecipações de remuneração aos acionistas.

Segundo o comunicado, o montante refere-se ao exercício de 2021 e totaliza R$ 31,6 bilhões (cerca de US$ 6 bilhões).

“Essa distribuição extraordinária considera as perspectivas de resultado e geração de caixa da Petrobras para 2021, sendo compatível com a sustentabilidade financeira da companhia, sem comprometer a trajetória de redução de seu endividamento e sua liquidez, em linha com os princípios da política de remuneração aos acionistas”, destaca a companhia.

A primeira parcela, que soma R$ 21 bilhões – ou R$ 1,6099 por ação – será paga aos detentores dos ativos posicionados na bolsa brasileira em 16 de agosto. Já os detentores de ADRs (recibo de depósito) na NYSE, a Bolsa de Nova York, terão como data de corte em 18 de agosto.

Com isso, os acionistas dos papéis emitidos pela companhia na B3 serão pagos no dia 25 de agosto, enquanto os titulares de ADRs serão remunerados a partir de 1º de setembro.

As ações da Petrobras serão negociadas ex-direitos na B3 e na NYSE a partir de 17 de agosto de 2021.

Já a segunda parcela, de R$ 10,6 bilhões, equivale a R$ 0,8126 por papel. Os acionistas dos ativos na B3 receberão o pagamento em 15 de dezembro, enquanto os detentores de ADRs serão pagos a partir de 22 de dezembro. As datas de corte serão 1º de dezembro e 3 de dezembro, respectivamente.

A Petrobras ressaltou que a forma de distribuição (dividendo ou JCP) será anunciada antes da data de corte.

→ Acesse a Lâmina de Empresas do TradeMap para conferir mais dados relacionados à companhia

Foto: Petrobras/Divulgação

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp