Navegue:
Mobly tem prejuízo líquido de R$ 17 milhões no 2º trimestre de 2021

Mobly tem prejuízo líquido de R$ 17 milhões no 2º trimestre de 2021

Contudo, a receita líquida da companhia avançou 38,6% na base anual, para R$ 175,7 milhões

Mobly/Divulgação
Por:

Compartilhe:

Por:

No segundo trimestre de 2021, a Mobly, empresa que atua no segmento de móveis e itens decorativos, apresentou um prejuízo líquido de R$ 17 milhões contra um prejuízo de R$ 7,6 milhões no mesmo período do ano anterior, crescimento de 123,7%.

Contudo, a receita líquida da companhia avançou 38,6% na mesma base comparativa, para R$ 175,7 milhões. No acumulado do primeiro semestre de 2021 contra 2020, o crescimento foi de 43,2%.

Mesmo com as recentes demonstrações de recuperação da economia brasileira, o momento ainda é de incertezas e instabilidade. A indústria está enfrentando fortes aumentos nos custos de matéria-prima, especialmente em chapas de madeira. Diante disso, a companhia apresentou margens mais pressionadas no período em análise.

Além do forte aumento do custo dos produtos, a Mobly continuou com as negociações de antecipação a fornecedores e não tem repassado todo o aumento de preços para os consumidores, priorizando a aquisição de clientes e manutenção do crescimento em detrimento a maiores margens.

A empresa também destaca que o segundo trimestre historicamente é o período no qual ocorre maior volume de devoluções. Com isso, os estoques das lojas e de terceiros estavam altos e não foi possível escoar as mercadorias devolvidas na mesma velocidade de recebimento, precisando, assim, elevar a provisão de perdas no período.

No entanto, a base de clientes ativos teve um crescimento substancial na plataforma de e-commerce. Em 31 de julho deste ano, houve um aumento de 57,1% frente ao início do ano de 2020.

Enquanto isso, o resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) do trimestre em análise veio negativo, em R$ 9,4 milhões ante os R$ 1,9 milhão do segundo trimestre de 2020. A margem do indicador ficou em -5,4%, queda de 6,9 pontos percentuais.

Os principais fatores que impactaram diretamente o Ebitda foram a piora da margem bruta, o aumento relevante nas despesas com marketing e o fato de as lojas físicas terem ficado totalmente fechadas até meados de abril ou com restrições de horário de funcionamento, mantendo seus custos fixos ativos.

Para os próximos períodos, a Mobly pretende unificar os seus centros de distribuição, incluindo uma nova unidade na cidade de Cajamar, em São Paulo.

Com essa unificação, ela planeja ter benefícios com redução nos custos logísticos, redução dos prazos de entrega para o consumidor final e aumento da capacidade de estocagem. Além disso, está em seu pipeline a inauguração de um novo outlet em Carapicuíba (SP), com previsão de inauguração em setembro deste ano, fora a abertura de três novas megastores, com previsão para o último trimestre de 2021.

Foto: Mobly/Divulgação

Compartilhe:

Tags:

Compartilhe: