JP Morgan e Goldman Sachs apresentam resultados recordes de 1T21 nos Estados Unidos

Os resultados foram turbinados com começo de recuperação econômica no país e medidas de precaução em relação a pandemia

Goldman Sachs, foto de Forbes
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

JP Morgan Chase & Co, maior banco dos Estados Unidos, e Goldman Sachs, grupo financeiro multinacional, divulgaram nesta quarta-feira, 14, seus resultados do primeiro trimestre de 2021. 

Ambas as empresas apresentaram lucros e receitas recordes no começo deste ano, alimentadas pela recuperação econômica no país norte-americano e também pelas comparações favoráveis com o ano anterior. 

JP Morgan Chase & Co

O JP Morgan registrou um aumento de quase cinco vezes maior do que o apresentado no mesmo período do ano anterior. O lucro recorde do 1T21 do banco foi de US$ 14,3 bilhões. Um ano antes, tinha sido de US$ 2,87 bilhões. 

Já a receita do maior banco dos EUA foi de US$ 32,27 bilhões, um aumento de 14% em relação a 2020. 

O que acontece é que, quando a pandemia do coronavírus atingiu os Estados Unidos no início de 2020, o JP Morgan e outros bancos americanos reservaram bilhões de dólares para cobrir as potenciais inadimplências que poderiam acontecer por parte de clientes e empresas. 

Com isso, foram liberados US$ 5,2 bilhões em fundos reservados pelo banco para cobrir empréstimos não pagos. 

O prejuízo que a pandemia poderia ter causado nunca se materializou, e agora o banco lucra com sua diligência e com a recuperação econômica após os trilhões de dólares que o governo Biden despejou no país e que circula pela economia em forma de negociações e investimentos. 

O lucro corporativo e de bancos de investimentos do JP Morgan também aumentou. Outro recorde trimestral, de US$ 5,74 bilhões. Já a receita cresceu 46%, para US$ 14,6 bilhões. 

Goldman Sachs 

O Goldman Sachs também apresentou lucro e receita recordes no 1T21. O lucro trimestral foi de US$ 6,84 bilhões e a receita, US$ 17,7 bilhões. 

Já no ano anterior, os valores foram de US$ 1,2 bilhão e US$ 8,7 bilhões, respectivamente. 

Os números prosperam com o cenário norte-americano. Nesses primeiros três meses do ano, inúmeras negociações aconteceram no mercado de capital dos Estados Unidos. 

A receita de negociação do grupo aumentou 47% em relação a 2020, para US$ 7,6 bilhões. Com taxas de fusões e ofertas de títulos, a arrecadação foi de US$ 3,8 bilhões – 73% maior do que no primeiro trimestre do ano anterior. 

Resposta nas bolsas de valores 

Depois da entrega dos resultados, o Dow Jones alcançou um novo recorde com as altas nas ações da Goldman Sachs. Às 14h15 o índice operava em alta de 0,58%, aos 33.873 pontos. 

Já o S&P 500 segue avançando mais timidamente, depois que o índice teve recordes intradiários e de fechamento na terça-feira. No mesmo horário, a bolsa operava em alta de 0,13%, aos 4.147 pontos.

Para o Nasdaq, que em maior parte é composto pelos papéis das bigs techs, as negociações estão diferentes hoje. A bolsa segue o dia em queda com ações de tecnologia devolvendo alguns dos ganhos de terça-feira, após os rendimentos do Tesouro avançarem mais um pouco. 

Acompanhe as cotações internacionais no TradeMap Web

Foto: Forbes 

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Rolar para o topo
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais