Navegue:
Bolsas globais seguem mais um dia sem direção definida; cenário político deve chamar atenção nesta quarta

Bolsas globais seguem mais um dia sem direção definida; cenário político deve chamar atenção nesta quarta

Ontem, a PEC do voto impresso foi rejeitada na Câmara dos Deputados por 229 votos a favor, 218 contra e uma abstenção

Unsplash
Por:

Compartilhe:

Por:

As bolsas externas seguem mais um dia sem direção definida, com os investidores atentos ao aumento do número de casos da variante delta da Covid-19 e à espera de indicadores econômicos – em especial, nesta quarta-feira (11), do índice de preços (CPI) nos Estados Unidos.

Na Ásia, os mercados fecharam de forma mista. Por lá, os acionistas continuam preocupados com o aumento no registro recorde de casos de coronavírus.

No mesmo caminho, as bolsas europeias e os futuros americanos operam no meio a meio. Os investidores aguardam pelo importante relatório CPI, em busca de pistas sobre a direção da política do banco central americano, o Fed, que se vier mais forte poderá indicar que os estímulos monetários nos EUA poderão ser reduzidos mais cedo.

As commodities deram uma trégua nas quedas e seguem em alta nesta quarta, tanto no preço do petróleo quanto no minério de ferro.

As atenções também se mantêm à continuação dos resultados corporativos e à votação aprovada no Senado norte-americano, nesta madrugada, do pacote de estímulos. A votação teve aprovação com 50 votos contra 49, para o orçamento de US$ 3,5 trilhões, para abranger recursos para educação, saúde, clima e outros temas.

Essa aprovação vem um dia após a aprovação do pacote bipartidário de infraestrutura de mais de US$ 1 trilhão, que também foi aprovado pelo Senado, na última terça-feira.

No Brasil, tivemos na Câmara dos Deputados a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto impresso, que foi rejeitada por 229 votos a favor, 218 contra e uma abstenção. Para seguir para o Senado, o texto precisava de pelo menos 308 votos a favor no plenário.

Ainda hoje tem a votação da reforma do Imposto de Renda, que deverá dominar as atenções no campo político.

A agenda econômica reserva a primeira prévia do Índice Gerente de Preços – Mercado (IGP-M) de agosto e as vendas no varejo. Na agenda corporativa, haverá uma enxurrada de balanços financeiros: MRV (MRVE3), Banco Inter (BIDI11), Locaweb (LWSA3), Copel (CPLE3), Ultrapar (UGPA3), Yduqs (YDUQ3), JBS (JBSS3), Eletrobras (ELET6), Taesa (TAEE11), Via (VVAR3), B3 (B3SA3), Simpar (SIMH3), Aeris (AERI3), Modalmais (MODL11), Iochpe-Maxion (MYPK3), D1000 Varejo Farma (DMVF3), Profarma (PFRM3), Estapar (ALPK3), LPS Brasil (LPSB3), Equatorial (EQTL3), Eucatex (EUCA4), Ânima (ANIM4), Hapvida (HAPV3), HBR Realty (HBRE3), Banco Pine (PINE4), Rossi Residencial (RSID3), RNI (RDNI3), Sul América (SULA11), Enauta (ENAT3), Aliansce Sonae (ALSO3), Moura Dubeux (MDNE3), Valid (VLID3), Helber (HBOR3).

Foto: Unsplash 

Compartilhe: