Navegue:
Bolsas externas seguem cautela nesta sexta-feira; investidores ficam de olho na China

Bolsas externas seguem cautela nesta sexta-feira; investidores ficam de olho na China

A maior aversão ao risco continua por conta das incertezas que vêm se estendendo quanto à retomada econômica mundial

Unsplash
Por:

Compartilhe:

Por:

Os mercados internacionais caminham para fechar a semana em queda nesta sexta-feira, 20. Na Ásia, as bolsas encerraram no campo negativo, devido, principalmente, às empresas de tecnologia, que continuam caindo após o governo chinês aprovar uma lei de privacidade que vai desestimular a coleta ampla de dados de usuários por companhias privadas do segmento tecnológico. A lei entrará em vigor a partir de 1º de novembro, de acordo com a agência estatal de notícias Xinhua.

As bolsas europeias e os futuros americanos também operam em queda nesta manhã e o dólar continua estendendo a sua máxima.

A maior aversão ao risco continua por conta das incertezas que vêm se estendendo quanto à retomada econômica mundial, além de quando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) reduzirá os estímulos à economia norte-americana.

Em relação às commodities, o preço do petróleo bruto segue praticamente estável, enquanto o minério de ferro sobe após forte queda na véspera.

Já o bitcoin voltou a estender os ganhos, passando a ser negociado acima de US$ 47 mil.

No Brasil, a agenda de indicadores está vazia para esta sexta. Mas os investidores devem ficar atentos às lives de Paulo Guedes, ministro da Economia, e Bruno Funchal, secretário do Tesouro Nacional, no final da tarde. Hoje também é aguardada a decisão de Jair Bolsonaro sobre o Fundão Eleitoral de R$ 5,7 bilhões.

Outro destaque que deverá movimentar o mercado foi o fato de o presidente entrar na Justiça para proibir que o Supremo Tribunal Federal (STF) abra inquérito sem aval do MP.

Já na próxima semana, lá fora, os investidores deverão continuar acompanhando a agenda e o simpósio de Jackson Hole para ter mais clareza sobre a política monetária dos EUA.

Foto: Unsplash

Compartilhe: