Navegue:
Dexco (DXCO3) atinge lucro recorde em 2021 com recuperação do setor de construção

Dexco (DXCO3) atinge lucro recorde em 2021 com recuperação do setor de construção

No quarto trimestre, vendas da companhia caíram, mas preços maiores garantiram aumento da receita e do lucro

Homem em construção

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A recuperação do setor de construção civil, motivada em parte pela redução dos casos de Covid-19, contribuiu para a Dexco (DXCO3) apresentar um resultado recorde no ano passado. O lucro de 2021 excluindo efeitos não recorrentes, como ganhos com mudanças no cálculo do PIS/Cofins, mais que dobrou, para R$ 528 milhões. No quarto trimestre, o lucro aumentou 44,6% na comparação com um ano antes, a R$ 407 milhões.

Considerando estes efeitos não recorrentes, o lucro líquido da companhia cresceu 92,6% no quarto trimestre de 2021, para R$ 581 milhões, enquanto o resultado de 2021 ficou positivo em R$ 1,73 bilhão, quase quatro vezes maior que o de 2020.

O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) em termos recorrentes cresceu 13,9% no quarto trimestre em relação ao mesmo período de 2020, para R$ 588 milhões, e 69,9% em 2021 em relação ao ano anterior, para R$ 2,19 bilhões.

A melhora nos resultados veio principalmente por causa do aumento nos preços de produtos vendidos pela Dexco. Nos últimos três meses de 2021, a empresa teve queda nas vendas em todos os segmentos em relação a um ano antes. No entanto, a receita cresceu 18,9% na mesma comparação, para R$ 2,25 bilhões.

“A Dexco buscou não só implementar aumentos de preço de forma gradual para preservar a demanda, como também em rever o posicionamento de seus produtos e priorizar a venda daqueles com maior valor agregado”, disse a companhia em relatório.

No acumulado de 2021, o volume de vendas cresceu, mas a receita aumentou ainda mais rápido, em 39,0%, para R$ 5,88 bilhões.

Madeira foi destaque de 2021

A divisão de produtos de madeira da Dexco foi o destaque dos resultados em 2021 e teve resultado recorde no período. No último trimestre daquele ano, as linhas de produção desta área estavam sendo plenamente utilizadas e foi possível aumentar preços diante da queda de estoques.

Na Deca, os resultados também foram recorde com o aumento nas margens de lucro, também motivada por aumentos de preço e mudanças no portfólio de produtos. Segundo a Dexco, isso fez com que a receita desta divisão aumentasse 21,0%, já descontada a inflação, em 2021.

Na área de revestimentos cerâmicos, a ocupação das linhas de produção também foi de 100% – ou 10,4 ponto porcentual acima da observada no mercado -, com aumento da venda de produtos de grandes formatos, o que acabou impulsionando o resultado desta divisão também para níveis recorde em 2021.

Cenário ainda requer cautela

Apesar dos resultados positivos, a Dexco ressaltou que ainda enfrenta o aumento no preço dos insumos e a piora no cenário macroeconômico – destacando como particularmente negativos para a companhia o aumento das taxas de juros e a queda na confiança e na renda do consumidor. “Estes fatores devem continuar presentes ao longo de 2022”, acrescentou.

A Dexco, porém, disse que enxerga oportunidades à frente, diante do atual desempenho das operações e da “perspectiva de demanda futura, em especial daquela decorrente dos novos lançamentos imobiliários.”

Compartilhe:

Compartilhe: