Deividi Guedes Colunisita TradeMap1

Por Deividi Guedes

Colunista de criptomoedas da Agência TradeMap

Educador Financeiro, economista, especialista em montagem de carteira de investimentos. Fundador do canal A Ótica do Dinheiro, publica conteúdo financeiro em seu Instagram.

Metaverso: como ganhar dinheiro com essa grande revolução digital?

Metaverso

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

A internet está obcecada com o “metaverso”. Rolando o feed do seu Instagram, procurando por vídeos no Youtube ou até mesmo passando um tempinho no Twitter, em qualquer lugar que você esteja, encontrará pessoas falando sobre essa grande revolução digital. Mas a realidade é que pouquíssimos entendem o que o tal do metaverso realmente é, como surgiu e, acima de tudo, as oportunidades que existem desde agora para ganhar dinheiro com ele.

Se você, assim como a maior parte dos brasileiros que tiveram contato com o tema nos últimos meses, ainda está por fora do conceito e luta para capturar migalhas de conhecimento sobre o tema, saiba que este é o artigo que estava procurando. Vou lhe explicar de uma vez por todas o que é o metaverso e como você pode se adiantar nesse movimento revolucionário para as próximas décadas.

O que é o metaverso?

Em síntese, o metaverso é uma realidade digital alternativa. Para aqueles que gostam de filmes de super-heróis, seria algo semelhante a um mundo paralelo, composto por diferentes tipos de realidade, entre elas a virtual, a aumentada e a estendida.

E por mais que pareça algo de outro mundo, você provavelmente já está bem habituado com esses tipos de realidades.

Se você já viu algum vídeo de alguém jogando videogame com aqueles óculos especiais que imergem o jogador no universo do jogo, meus parabéns. Você teve contato com uma tecnologia de realidade virtual.

E se já jogou Pokémon Go ou faz uso constante de filtros nos stories do Instagram, que projetam informações digitais sobre o mundo real, por meio do uso da câmera, por exemplo, saiba que essa é uma tecnologia de realidade aumentada.

A terceira realidade, a estendida, nada mais é do que a junção dessas duas e existe para oferecer outros tipos de interação além da visão, audição e tato. Muitas tecnologias de realidade estendida já possuem aplicações em setores importantíssimos, como o terapêutico e medicinal.

Então, as três realidades, por mais estranhas que possam parecer, já são uma ‘realidade’ (peço perdão pelo trocadilho ruim) e ajudam muitas pessoas ao redor do mundo.

O metaverso surge como uma amplificação de todos esses conceitos. A proposta é que tenhamos um ambiente virtual compartilhado capaz de abarcar pessoas e coisas reais, assim como comportar as próprias relações humanas, como trabalho, negociações e relacionamentos.

De onde surgiu esse papo de metaverso?

Por mais que pareça algo recente, as discussões acerca do metaverso são, na realidade, de décadas passadas. O termo “metaverso” surgiu pela primeira vez, em 1992, na obra “Snow Crash”, de Neal Stephenson, um escritor americano de ficção científica.

A história gira em torno de Hiro Protagonist, um entregador de pizza que atua como um samurai num universo virtual que ele criou – o “metaverso”. Muitos jogos famosos hoje em dia, como Roblox, Fortnite e Minecraft, foram, inclusive, inspirados neste livro. Dentro desses ‘games’, mundos de realidade paralela unem jogadores para que eles socializem e recriem vidas alternativas, por mais que seja em uma versão bem mais limitada e menos sensorial do que as propostas atuais.

Mas as coisas somente se intensificaram e começaram a parecer reais no ano de 2021, em especial por conta do posicionamento do Mark Zuckerberg, o bilionário fundador do Facebook (que, hoje, se chama “Meta Platforms”). O Zuckerberg acredita tanto na proposta e na implementação da tecnologia que decidiu investir agressivamente na tecnologia e alterou o nome da sua própria empresa.

E ele não é o único! Outros grandes bilionários, como o Bill Gates, já se posicionaram de forma favorável à adoção do metaverso. Segundo o fundador da Microsoft, em até três anos, a maioria das reuniões virtuais serão realizadas dentro de um contexto virtual de metaverso.

Pode parecer uma previsão agressiva, mas o Bill Gates é conhecido por ter uma grande assertividade em suas visões tecnológicas. Em 1999, o bilionário fez cerca de 15 previsões sobre a evolução da internet e adoção de tecnologias diversas, e, por incrível que pareça, hoje em dia, todas elas se tornaram realidade.

Algumas outras gigantes, como Nike, Adidas, Disney e Nvidia também compraram fortemente a ideia do “metaverso” e já começaram a se movimentar.

Como ganhar dinheiro com o metaverso?

Assim como qualquer grande tecnologia revolucionária, os early adopters da tecnologia – aqueles que acreditam e aderem ao projeto desde cedo – possuem muitas oportunidades para ganhar dinheiro antes de todo mundo. Foi assim com os computadores e a internet, por exemplo. Aqueles que souberam se posicionar de forma antecipada conseguiram rentabilizar ao máximo essas novas tecnologias.

Imagine a seguinte situação: vamos supor que existe uma grande cidade vizinha à sua com mais de cem anos de história e muito sucesso, seja por conta do potencial turístico ou qualquer outra vantagem que ela possa ter. Nessa cidade, muito provavelmente os imóveis custarão fortunas, e as pessoas que estiverem bem localizadas terão suas vidas feitas.

Mas a questão é que essa cidade não nasceu como um grande sucesso. Além disso, os imóveis nem sempre foram tão valorizados. Existiu um momento ao longo desses mais de cem anos de história em que alguns homens de negócios se aproveitaram do potencial de ascensão, provavelmente desacreditados pela maioria, e obtiveram excelentes investimentos imobiliários.

Há 60 anos, por exemplo, essa cidade hipotética provavelmente tinha imóveis bastante acessíveis, e as pessoas que acreditaram desde cedo e compraram alguns deles fizeram fortunas. Quantas dessas histórias não devem existir por aí, não? Quantos dos ricos mais velhos não construíram seus patrimônios dessa maneira, comprando terrenos baratos e assistindo a valorizações com o passar do tempo?

A lógica do metaverso é mais ou menos a mesma. Não existe uma garantia, é claro, de que você ganhará dinheiro ao investir nele, mas a adoção precoce pode lhe gerar retornos inimagináveis, assim como os grandes investimentos imobiliários do passado.

Então, o investimento nessa tecnologia revolucionária deveria, ao menos, ser cogitado por você. Não devemos ignorar as cartas que são jogadas à mesa. O mínimo que precisamos fazer, como pessoas atentas às oportunidades, é analisar as cartas.

E é por isso que eu quero te entregar como um bônus desse artigo, agora que você já entende o conceito e a lógica da tecnologia, três maneiras de começar a rentabilizar o metaverso ainda hoje. São elas:

1. Comprar terrenos no metaverso

Existe um jogo de metaverso bastante popular, que é conhecido como “Decentraland”. Nele, você pode fazer o mesmo que os investidores imobiliários do passado fizeram: comprar terrenos de forma antecipada. A grande diferença é que aqui os terrenos são virtuais.

Em novembro de 2021, um terreno dentro desse jogo foi comprado por R$ 13 milhões. O objetivo do comprador é utilizar esse ponto virtual como uma loja de roupas para os avatares dos jogadores dentro do jogo. Ou seja: gerar uma renda por meio do terreno.

Existem outros jogos similares ao Decentraland, mas, sem dúvidas, negociar itens e terrenos dentro de metaversos pode ser uma excelente forma de ganhar dinheiro com a tecnologia.

2. Comprar os tokens de algum metaverso

Um segundo meio de ganhar dinheiro com a tecnologia é comprar os tokens de algum metaverso. No caso do Decentraland, o jogo tem uma moeda tokenizada ((por meio do uso de tokens em tecnologia blockchain)) que é utilizada para manter toda a sua economia. Ela se chama MANA e pode ser negociada em algumas das maiores corretoras de criptomoedas do mundo.

Obviamente, esse exemplo não se trata de uma recomendação de investimento, mas existem boas perspectivas futuras para o crescimento desses tokens se a tecnologia do metaverso for realmente difundida mundo afora.

3. Investir em empresas que estão apostando no metaverso

Uma terceira forma de rentabilizar com o metaverso (e essa talvez mais palpável) é investir nas ações de empresas que estão apostando na tecnologia. Seria o caso de Facebook, Microsoft e Nvidia.

Todas essas empresas são negociadas na Nasdaq e podem ser compradas por meio de uma corretora de valores americana.

Conclusão

Independente da sua visão para o futuro da tecnologia, se ela será amplamente difundida ou não, a realidade é uma só: grandes nomes da indústria tecnológica estão acreditando no projeto e investindo pesado nele.
O mínimo que você pode fazer, como um investidor atento e inteligente, é buscar conhecimento e acompanhar a evolução da tecnologia. Assim como a internet mudou o mundo, o metaverso pode vir a mudá-lo outra vez.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Rolar para o topo
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais