Petrobras (PETR4) aprova nova política de remuneração aos acionistas

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Petrobras (PETR3; PETR4) informou nesta quarta-feira (28) que seu Conselho de Administração aprovou uma nova política de remuneração aos acionistas. De acordo com o fato relevante, os dividendos estarão atrelados a critérios que permitem um equilíbrio entre pagamento com sustentabilidade financeira da companhia.

“A nova política visa estabelecer um parâmetro objetivo para o pagamento de proventos, dando aos investidores mais transparência em relação à sua remuneração, considerando o nível de endividamento da companhia e seu fluxo de caixa”, informa a companhia em nota.





A principal alteração trazida pela nova política é a definição de que, em caso de endividamento bruto inferior a US$ 60 bilhões, a companhia poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos.

Leia também:   CCR registra lucro de R$ 688,9 milhões no 1º trimestre

Você sabe o que é dividendo? Clique aqui e saiba mais.

Em caso de endividamento bruto superior a 60 bilhões de dólares, a estatal poderá distribuir aos seus investidores os dividendos mínimos obrigatórios previstos na lei e no seu Estatuto Social. Hoje, a dívida bruta é de US$ 101,0 bilhões.

Por fim, a Petrobras diz que a nova política está em consonância com a estratégia de redução de dívidas e busca pela maior geração de valor aos acionistas.

No início do mês, a empresa anunciou que foi aprovado a distribuição de remuneração antecipada aos investidores na forma de Juros sobre Capital Próprio (JCP), no montante de R$ 2,6 bilhões. O pagamento será realizado em 4 de outubro.

Acompanhe os ativos da Petrobras em tempo real com o TradeMap!





TradeMap
Cotação da PETR4 no TradeMap
Ainda não conhece o TradeMap?
O mercado financeiro no seu bolso! Grátis e em tempo real!
Baixe agora mesmo
Afinal, essa política é positiva?

De acordo com o Credit Suisse, essa mudança tem um viés positivo. “Existem duas importantes mensagens: desalavancagem é a prioridade principal e a compensação aos acionistas será mais transparente no planejamento da estatal”, afirmam dois analistas.

Leia também:   Leilão da Cedae movimenta R$ 22,6 bilhões e supera expectativas

Em relatório divulgado a clientes, o Credit Suisse relata que o aumento da transparência nos dividendos futuros é positivo por prover uma referência de valor subjacente às ações da Petrobras. No entanto, a alteração não deverá ser aplicada no curto prazo, devido a dívida bruta da companhia.

O banco tem recomendação outperform para as ADRs (American Depositary Shares, papéis negociados em bolsas americanas) da Petrobras, com preço-alvo de R$ 21.

Não para por aí!

A Petrobras informa, ainda, que obteve decisão favorável definitiva, sem possibilidade de recurso, do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), cancelando débito da ordem de R$ 5,9 bilhões em favor da companhia referente à homologação de créditos de PIS e Cofins.

Leia também:   IGP-DI sobe 2,22% em abril e acumula inflação de 33,46%, informa FGV

A decisão resultará na exclusão do valor dessa contingência de suas demonstrações financeiras.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp