O que é o Mercado Futuro?

Quando falamos em investimentos, já estamos planejando nosso futuro de alguma forma, certo? Ao iniciarmos, de fato, em alguma aplicação financeira, geralmente já imaginamos para que o dinheiro vai ser destinado, seja para comprar um carro daqui cinco anos ou, até mesmo, usando esse valor para pagar uma viagem em dois anos. Por conta disso, além do mercado à vista, também é possível negociar em mercado futuro nas bolsas de valores e garantir, assim, certas proteções.

O mercado futuro não é tão complicado como o nome sugere e muito menos tão novo quanto pensamos. Acontece que o primeiro caso registrado de comércio organizado a futuro ocorreu no Japão feudal, por volta do século XVII. Pois é! Muito curioso, não?

Para se proteger de resultados imprevisíveis, os japoneses entraram em um acordo de preço negociado no futuro. Dessa forma, eles já tinham uma garantia contra eventuais surpresas, como o preço da saca do arroz disparar.

Em tese, o mercado futuro nada mais é do que o compromisso entre um comprador e um vendedor, em relação à quantidade de determinado produto com a liquidação feita em data futura. Mas não precisa ficar preocupado, marujo, pois vamos explicar tudinho para você! Bora lá.

Mercado Futuro
Infográfico desenvolvido por TradeMap
Como funciona o Mercado Futuro?

Para que ocorra alguma negociação futura é necessário firmar um contrato entre o comprador e vendedor.

Os chamados “contratos futuros” são uma modalidade em que investidores se comprometem a comprar e vender um determinado produto em uma data futura. Bem simples, certo?

Basicamente, investir em contratos futuros é tão fácil quanto operar ações. As transações são feitas no ambiente online e realizadas exclusivamente na bolsa de valores.

Leia também: Quanto preciso para começar a investir no mercado financeiro?

Além do mais, outra notícia boa é que, no mercado futuro, você pode movimentar valores muito maiores do que realmente possui. Chamamos este termo de “alavancagem”, o que significa que você pode investir sem necessariamente ter todo o capital na sua conta. Mas vale lembrar que a corretora exige uma garantia, pois em caso de perdas, você deve arcar com os custos (veja os exemplos mais abaixo).

De acordo com o Portal do Investidor, suas características são:

Contrato futuro (Fonte: Portal do Investidor)

Bom, mas dito isso, podemos seguir para o próximo passo, não é mesmo?

Para que serve o Mercado Futuro?

O mercado futuro é utilizado, antes de mais nada, para amenizar riscos ou potencializar retornos.

Quando alguém compra ou vende um contrato futuro logo assumirá um papel dentro desse mercado. Dependendo da estratégia adotada, o investidor terá a posição “comprado” ou “vendido”. Mas o que isso significa?

Bom, vejamos o exemplo abaixo:

O investidor comprado lucra quando há alta na cotação do ativo e perde quando o preço do papel cai

Por outro lado, o investidor vendido lucra com a queda na cotação do ativo, mas perde quando há alta do papel

Quais são os principais contratos futuros?

Os contratos futuros detêm vários ativos e índices, além de commodities. Os principais são:

  • IND (Futuro do Ibovespa)
  • WIN (Minicontrato do Ibovespa)
  • ISP (Futuro do Índice S&P 500)
  • DOL (Dólar)
  • WDO (Minicontrato do dólar)
  • BGI (Boi gordo)
  • CCM (Milho)
  • ICF (Café)

Além dos códigos do contrato, o próximo passo é definir o prazo de vencimento. Cada mês tem uma letra de referência, enquanto o ano considera os dois últimos dígitos. Vejamos:

  • Janeiro — F
  • Fevereiro — G
  • Março — H
  • Abril — J
  • Maio — K
  • Junho — M
  • Julho — N
  • Agosto — Q
  • Setembro — U
  • Outubro — V
  • Novembro — X
  • Dezembro — Z

Dessa forma, um minicontrato do Ibovespa com vencimento para dezembro de 2019 terá o código WINZ19.

Agora que você já sabe as principais características do mercado futuro já pode usar o TradeMap para acompanhar seus investimentos!

Deixe seu comentário abaixo e participe também deste artigo! Até a próxima, marujo!

Escrever um comentário