Ministro da Economia pretende tributar dividendos

A proposta de reforma tributária também inclui a tributação de produtos como LCI, LCA, CRI e CRA

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O ministro da Economia, Paulo Guedes, propôs as etapas do plano do governo para mudança da cobrança de imposto de renda da pessoa física, em uma reforma tributária.

As etapas incluem o fim da isenção da tributação de dividendos e alguns produtos financeiroscomo Letras de Crédito (LCIs e LCAs) Certificados de Recebíveis (CRIs e CRAs). 





A proposta sugere que as alíquotas do Imposto de Renda sobre investimentos em renda fixa sejam niveladas a 15%. Atualmente, a cobrança varia entre 15% a 22,5%, a depender do prazo de aplicação. 

“Hoje os ricos têm isenções, existe uma imensa variedade de produtos financeiros isentos. A maior parte da população não tem acesso a esses instrumentos”, afirmou o ministro em entrevista à Folha. 

Veja a lista completa de mudanças propostas:

  • Reforma do Imposto de Renda: 
    • Ampliação da isenção para pessoa física e alteração das faixas de cobrança 
    • Unificação das cobranças sobre investimentos em renda fixa em 15%, que hoje são regidas por uma tabela regressiva de 22,5% a 15% 
    • Fim da isenção de produtos financeiros como Letras de Crédito (LCIs e LCAs) e Certificados de Recebíveis (CRI e CRA)  
    • Redução do Imposto de Renda de pessoa jurídica de 25% para 20% em dois anos 
    • Criação de uma tributação de 20% sobre a distribuição de dividendos 
  • Reforma do IPI:  
    • Redução de alíquotas de IPI e estabelecimento de imposto seletivo sobre o consumo de bens que geram externalidades negativas, como cigarro, bebida e automóvel 
  • Unificação de Pis e Cofins (já enviada ao Congresso):  
    • Formação da CBS, um tributo sobre consumo. Estados poderão acoplar seus tributos 
  • Passaporte tributário:  
    • Criação do novo Refis (renegociação de dívida com desconto) e mecanismos de transação tributária para devedores 
  • Imposto sobre transações:  
    • Criação de tributo aos moldes da extinta CPMF para viabilizar uma desoneração de encargos salariais ou redução de alíquota de outros tributos (ainda não há certeza se será apresentada) 
  • Cobrança anual do come-cotas nos fundos de investimento 
  •  
Leia também:   CVM lança audiência para reformar as regras de BDRs

O texto ainda pode sofrer alterações e deve ser apresentado ao Congresso nas próximas semanas por Guedes. 

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp