Mercado global: otimismo entre EUA-China

jantar eua china na casa branca

O otimismo entre as duas maiores economias do mundo tem mostrado alívio ao mercado global. Em entrevista à Fox, o assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que as tarifas impostas pelos Estados Unidos sobre produtos chineses podem ser retiradas se as negociações continuarem bem. As informações são da Reuters.

No dia 11 deste mês, representantes dos EUA e da China anunciaram um acordo parcial depois de reuniões em Washington. Leia mais clicando aqui.

Apesar da fala de Kudlow mostrar certo otimismo, na segunda-feira passada o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, afirmou que se o acordo firmado não entrar em vigor, as tarifas comerciais previstas para o dia 15 de dezembro serão implantadas.

Leia também: EUA-China: Mnuchin afirma que taxará produtos, caso acordo com a China não se concretize

Em contrapartida, a China exige que tais tarifas não sejam cobradas para que efetuam a compra de produtos agrícolas, como apontou a Bloomberg na semana passada.

Brexit

De acordo com a Reuters, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, tentou submeter o acordo fechado com a União Europeia para a saída do Reino Unido nesta segunda-feira, 21.

Entretanto, o presidente da Câmara dos Comuns do Reino Unido, John Bercow, rejeitou a proposta de Johnson.

O novo tratado com a UE seria votado no dia 19 de outubro, mas o Parlamento acabou adiando a decisão, alegando que é preciso criar uma legislação para orientar a saída do Reino Unido do bloco.

Foto: Shealah Craighead/ White House