Fed falhou na política monetária e isso tem consequências para emergentes, diz El-Erian, ex-CEO da Pimco

Economista, que já foi CEO da Pimco e assessor de Obama, defende que inflação alta não é transitória

mohamed el-erian ex-Pimco
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

O banco central americano, o Federal Reserve (Fed), falhou em manter a política de estímulos por muito tempo e deveria acelerar a reversão dessas medidas para evitar um pouso forçado, com consequências maiores para a economia global, avalia o reconhecido economista Mohamed El-Erian.

O assessor econômico chefe da Allianz e presidente do conselho do hedge fund Gramercy Funds Management falou hoje, durante evento promovido pelo Bradesco.

El-Erian, que foi CEO da Pimco e conselheiro de Barack Obama (2012-2017), tem defendido que o atraso do Federal Reserve em reverter a política de estímulos monetários, com a compra mensal de ativos financeiros, traz riscos para a economia e para os mercados.

No dia 3 de novembro, o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve anunciou que iniciará neste mês a redução da compra de ativos em US$ 15 bilhões por mês, com expectativa de encerrar as compras em 2022, em um processo conhecido como tapering.

A visão da autoridade monetária americana tem sido de que o aumento da inflação é de carácter transitório, não exigindo um aumento rápido da taxa básica de juros.

A inflação americana, medida pelo índice de preços ao consumidor, mostrou avanço de 6,2% da taxa anualizada em outubro, a maior alta em 31 anos. “A inflação está mais persistente do que as pessoas achavam, especialmente o banco central”, disse o economista.

Para El-Erian, alta da inflação não é transitória

A alta da inflação, que não é só um problema nos Estados Unidos mas mundial, não é transitória, mas causada por um problema estrutural, na visão de El-Erian.

Nesse sentido, ele cita três mudanças acentuadas pela pandemia que contribuíram para o aumento de preços.

A primeira delas foi a disrupção na cadeia de fornecimento causada pela pandemia, que provocou a falta de contêineres e de chips no mundo inteiro, com algumas empresas fechando as fábricas.

O segundo motivo se deve a mudanças no mercado de trabalho. Parte dos trabalhadores não retornou para seus postos após a reabertura da economia, seja porque se aposentaram ou porque mudaram de profissão, obrigando empresas como Amazon e Deer Valley Resort a aumentarem o salário mínimo para atrair funcionários.

Leia também:   B3 passa a oferecer empréstimo de ETFs de renda fixa; entenda como funciona

E o terceiro fator é o aumento do consumo na pandemia, que pegou uma cadeia de suprimentos despreparada para atender a demanda. E na visão de El-Erian, esses fatores não deverão ser resolvidos ano que vem.

Mas como o Fed não viu esse cenário? A resposta, segundo o gestor, se deve ao fato de os mercados estarem distorcidos devido à política de injeção de estímulos para evitar uma recessão da economia, o que ajudou a causar mais inflação.

A boa notícia, é que há uma janela para o Fed minimizar esses riscos, acelerando a redução das compras dos títulos e reduzindo, assim, os estímulos.

El-Erian, contudo, não acredita que o banco central americano vai seguir esse caminho em função de alguns riscos para a economia, como a situação ainda preocupante da pandemia e a resistência à vacina. “Se o Fed não se mover mais rapidamente na reversão das políticas, há um risco material de no meio de 2022 ele enfrentar quatro adversidades”, disse El-Erian.

Essas forças contrárias seriam o aumento da taxa básica de juros para controlar a inflação e trazê-la para a meta; o impacto dos juros mais altos no mercado imobiliário e na economia, capacidade limitada do Fed para evitar uma recessão com a inflação alta; e a questão fiscal adicionada pelas compras dos ativos. “Espero que o Fed reaja para evitar um pouso forçado como reação da política monetária.”

Como a reversão dessa política afeta os mercados

A reversão da política monetária de taxas de juros negativas e de injeção de estímulos com a compra de títulos deve levar os investidores a ficarem mais seletivos na compra de ativos, segundo El-Erian.

Em segundo lugar, ao subir a taxa de juros depois de anos de injeção de estímulos, há um aumento do risco de instabilidade financeira.

Leia também:   Mercado externo opera em alta nesta segunda, apesar de incertezas com nova variante Ômicron

“Hoje a volatilidade nos Treasuries [títulos do tesouro americano] já é maior que no mercado de ações”, disse El-Erian, destacando que o balanço de risco atual no mercado de bônus é maior que no de ações, especialmente olhando para os vencimentos com prazos mais curtos.

Isso tem explicado, em parte, o direcionamento dos recursos para a bolsa, que tem sustentado a alta das ações americanas. “Deixar o dinheiro em caixa com inflação de 6% não é uma boa alternativa.”

As consequências para os mercados emergentes

As consequências para os mercados emergentes, como o Brasil, estão na sequência do banco central brasileiro de seguir a autoridade monetária nos Estados Unidos e subir a taxa básica de juros, olhando para um cenário de juros mais altos lá fora.

Com os juros mais elevados nos Estados Unidos, o dólar tende a se fortalecer, já que o retorno pago pelos títulos americanos fica mais atrativo, o que pode levar  a uma saída dos mercados emergentes. Dólar mais alto pressiona ainda mais a inflação.

Mas esse cenário também traz oportunidades de investimento para os investidores estrangeiros, principalmente no mercado de crédito e de juros local.

Sobre o investimento em criptomoedas, El-Erian acredita que o Bitcoin não vai substituir o dólar como meio de pagamento e que migração dos investimentos para as criptomoedas envolve o risco da instabilidade das plataformas, e de cibersegurança.

Investimentos em criptomoedas têm crescido como reflexo do facilidade dos meios de pagamento e busca por proteção contra a inflação, mas El-Erian destacou não ver o Bitcoin substituindo o dólar como moeda global.

El-Erian foi CEO da Pimco, uma das maiores gestoras do mundo, e acertou previsões de que a Argentina entraria em default em 1999, disse que o Brasil não daria calote e cunhou o termo “novo normal”, se referindo ao crescimento mais lento da economia de países industrializados após a crise financeira de 2007/2008. Se ele vai acertar mais uma vez, só o tempo irá dizer.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Não vá ainda...

Baixe o nosso App!

O maior hub do mercado financeiro
na palma da sua mão!

Popup out planos