Embaixada americana reafirma apoio ao Brasil na OCDE após repercussão negativa

Embaixada dos EUA - Getty Images

O presidente Jair Bolsonaro negou ontem, 10, a repercussão de que o governo dos Estados Unidos teria recusado a entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Segundo o chefe de estado, o apoio norte-americano à inserção da Argentina e da Romênia no grupo seleto já era de conhecimento e que o Brasil terá sua oportunidade.

“Estamos praticamente chegando lá, só que dois países estavam na frente, Argentina e Romênia, e isso foi mais uma vez externado hoje”, afirmou Bolsonaro durante uma live no Facebook.

Ontem, a Bloomberg havia noticiado que os EUA recusaram a entrada do Brasil na OCDE, por meio do secretário de Estado, Mike Pompeo. De acordo com a agência, uma carta enviada ao secretário-geral da organização, Angel Gurria, revelava a informação.

Devido à repercussão, a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil divulgou uma nota reafirmando o apoio estadunidense do ingresso do Brasil à OCDE.

“A declaração conjunta de 19 de março do presidente Trump e do presidente Bolsonaro afirmou claramente o apoio ao Brasil para iniciar o processo para se tornar um membro pleno da OCDE e saudou os esforços contínuos do Brasil em relação às reformas econômicas, melhores práticas e conformidade com as normas da OCDE. Continuamos mantendo essa declaração”, diz a nota.

O presidente dos EUA, Donald Trump, também declarou apoio ao Brasil quanto à entrada no “clube dos ricos”, como é conhecida a OCDE.

“O comunicado conjunto divulgado com o presidente Bolsonaro em março deixa completamente claro que apoio o início do processo de adesão plena do Brasil a membro da OCDE”, escreveu Trump em sua conta no Twitter.

Donald Trump - Twitter
Tweet de Donald Trump referente à notícia de que os EUA recusaram a entrada do Brasil na OCDE

Foto: Getty Images

Escrever um comentário