Credit Suisse sugere quem pode levar Oi

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O banco de investimento suíço Credit Suisse revelou que a ação da Oi (OIBR3) pode disparar na bolsa brasileira. No entanto, ainda existe certo ceticismo na afirmação, como aponta o portal de notícias financeiras MoneyTimes.

De acordo com os analistas da Credit Suisse, a Tim (TIMP3) é a mais provável compradora da Oi, enquanto a Telefônica Brasil (VIVT4) e a Claro têm mais dificuldades frente medida de market share, o que garantiria uma valorização da empresa.

Para os analistas Daniel Federle, Felipe Cheng e Juan Pablo Alba, da Credit Suisse, existem alguns catalisadores positivos no radar, “mas os fundamentos permanecem sem atratividade”. No entanto, no cenário mais otimista, com a venda das operações móveis dentro do múltiplo EV/EBITDA de 8 vezes, o preço justo para os papéis seria de R$ 1,55.





Leia também:   Magazine Luiza reforça seu e-commerce com aquisição da SmartHint

Os papéis da companhia enceram ontem com queda de 27% na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), devido situação de caixa e pressão do maior acionista, a gestora de investimentos GoldenTree Asset Management (14,57%), pela saída do atual CEO, Eurico Tales.

O banco suíço, por sua vez, cortou o preço-alvo das ações da Oi para R$ 0,70 ante R$ 1,00 e deixou recomendação underperform – quando está abaixo da média.

Por fim, existe uma possibilidade da Unitel – empresa que o Grupo Oi detém cerca de 25% de participação – ser vendida, o que poderá levantar o montante de 1 bilhão de reais.

Tags:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp