China não cobrará tarifas adicionais sobre soja e carne suína dos EUA

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

De acordo com a agência oficial de notícias da China, a Xinhua, o país asiático excluirá alguns produtos agrícolas dos Estados Unidos de tarifas adicionais. A medida representa mais um sinal de atenuação das tensões da guerra comercial com os EUA antes de uma nova rodada de negociações, prevista para o começo de outubro.

Ambos os países fizeram gestos conciliatórios. Enquanto a China isentou a tarifa de 16 produtos norte-americanos, além de importar 600 mil toneladas de soja dos EUA nesta quinta-feira, 12, o país de Donald Trump adiou o aumento de tarifas sobre alguns itens chineses, como uma decisão de “boa vontade”,  segundo o chefe de estado.





Em julho de 2018, os chineses tinham criado tarifas adicionais de 25% aos produtos agrícolas dos Estados Unidos. Em setembro deste ano, a China aumentou as taxas para soja em mais 5% e, para carne de porco, em 10%.

Leia também:   Cosan registra lucro de R$ 827 milhões no 1º trimestre

“A China apoia empresas relevantes que compram hoje determinadas quantidades de soja, suínos e outros produtos agrícolas de acordo com os princípios do mercado e as regras da OMC”, disse a Xinhua, além de informar que a Comissão de Tarifas Aduaneiras do Conselho de Estado da China excluiria tarifas adicionais sobre esses itens.

E como o Brasil fica nessa?

O Brasil é diretamente afetado na disputa comercial entre os EUA e China, uma vez que concorre com os norte-americanos sobre os dois produtos. No mês passado, os chineses compraram menos itens do nosso país.

A decisão da China em isentar tarifas adicionais sobre alguns produtos americanos pode ser uma jogada para não pagar mais caro de outros países. A soja e a carne suína são dois dos principais itens do agronegócio importados pelos chineses.

Leia também:   Emissões de debêntures incentivadas chegam a R$ 1,9 bi em março

Em 2018, a peste suína africana dizimou uma grande quantidade de porcos, o que fez com que a China importasse mais. Por isso, mantidas as tarifas de 25% na importação dos produtos dos EUA, os preços pagos aos outros fornecedores passariam do limite.





As informações são da Reuters.

Foto: Dailymotion

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp