Brasil Pharma deixa B3 após decreto oficial de falência

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Justiça brasileira decretou falência à empresa farmacêutica Brasil Pharma no dia 11, devido à crise econômica. Suas ações na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) foram suspensas e totaliza a oitava companhia a deixar o mercado de capitais pelo motivo de quebra. As informações são da revista Exame.

As ações da Brasil Pharma, que estreou na bolsa em 2011, caíram para 51,45% no dia 6 de junho, quando anunciou o pedido de falência ao público.

A empresa era dona das redes Farmais, Rosário, Guararapes e Mais Econômica, e foi criada pelo banco BTG Pactual em 2009, quando o mercado farmacêutico estava em alta. No início ganhou força, mas ao decorrer dos anos perdeu espaço para concorrentes com maior nome no mercado, como a Droga Raia e Drogasil – hoje em dia, depois de uma fusão, conhecida com Raia Drogasil.





Leia também:   Ações da Vale fecham em alta de 6,16% nesta segunda-feira

Existem 19 empresas de capital aberto que estão na fila de recuperação judicial na B3, e que podem ter o mesmo destino da rede de farmácias. Entre elas, a Oi, operadora de telecomunicações, enfrenta um processo complicado desde 2016. Outra companhia que sofre decadência financeira é a Livraria Saraiva.

Mas por que uma empresa é suspensa da B3?

Quem decide a suspensão é a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – reguladora do mercado de ações. Caso as empresas em recuperação judicial parem de prestar informações ao órgão, pode ocorrer o congelamento de registro por um tempo indeterminado.

O que acontece com os acionistas?

Caso o investidor não tenha vendido as ações da empresa antes da declaração de falência, dificilmente vai receber o dinheiro aplicado, uma vez que a companhia não terá ativo para pagá-lo.

Leia também:   Santos Brasil desembolsa R$ 157,3 milhões e arremata 3 de 5 áreas de portos na Infra Week

No entanto, de acordo com o advogado Miguel Neto, o acionista pode entrar com uma medida judiciária contra a empresa caso houver indícios de má administração.

Tags:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp