Taxa de desemprego fica em 14,7% em abril, mantendo níveis recordes

Dados do IBGE apontam para desalentados e subutilizados em níveis recordes também.

Carteira de Trabalho (Foto de Depositphotos)
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A taxa de desemprego do Brasil ficou em 14,7% no trimestre móvel encerrado em abril, acima do período anterior (14,2%), que considera os meses de novembro, dezembro e janeiro. Os dados divulgados nesta quarta-feira, 30, são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

O resultado veio em linha com o esperado, de acordo com a mediana das estimativas coletadas pelo Termômetro CMA, de 14,7%. 

“Essa taxa e o contingente de desocupados mantêm o recorde registrado no trimestre encerrado em março, o maior da série desde 2012”, destacou o IBGE.

Com isso, no fim de abril, a população desocupada somava 14,8 milhões de pessoas, com crescimento de 3,4% em relação ao trimestre anterior. Em confronto com o mesmo período do ano passado, houve avanço de 15,2% (1,9 milhão de pessoas a mais).  

População empregada 

A população ocupada totalizou 85,9 milhões no período, estável em relação aos meses de novembro a janeiro. Porém, caiu 3,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior. 

Isso quer dizer que, entre fevereiro e abril, o nível de ocupação da população brasileira chegou a 48,5%: estável ante o trimestre de novembro a janeiro, mas com queda de 3,1 p.p. na comparação com o mesmo trimestre de 2020.

A analista da pesquisa, Adriana Beringuy, avalia que houve “perdas importantes” da população ocupada, mas destaca que já passamos por percentuais maiores. 

“Chegaram a 12% no auge da pandemia. Portanto, observamos uma redução no ritmo de perdas a cada trimestre. No cômputo geral, contudo, temos 3,3 milhões de pessoas a menos trabalhando desde o início da pandemia”, pondera.

População subutilizada 

Já a taxa de subutilização da força de trabalho (que considera os desempregados, desalentados e subocupados) atingiu 29,7% no trimestre móvel encerrado em abril. O valor representa uma alta de 0,7 p.p. em relação aos meses de novembro a janeiro. 

Em comparação com o mesmo período de 2020, o aumento foi de 4,1 p.p., de acordo com os dados do IBGE.  

Com isso, a população subutilizada do país somou 33,3 milhões de pessoas até o final de abril, o maior contingente da série histórica. Um aumento de 2,7% ante o trimestre anterior (+ 872 mil pessoas) e de 16,0% (+ 4,6 milhões de pessoas) ante fevereiro a abril do ano passado.

Desalentados e informais

Já a população desalentada (aqueles que desistiram de procurar emprego) chegou a 6,0 milhões de pessoas, recorde na série histórica iniciada em 2012. 

O número permaneceu estável no confronto trimestral, mas disparou 18,7% na comparação anual. 

Por sua vez, a taxa de informalidade ficou em 39,8% da população ocupada (mais 34,2 milhões de pessoas).

Leia também:   Ministério da Economia vai divulgar indicador de atividade econômica mensal para antecipar tendência do PIB

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Dias
Horas
Min.
Seg.