Se necessárias, novas reduções da Selic poderiam ser espaçadas, diz BC em ata

livro copom Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Banco Central divulgou nesta terça-feira, 22, a ata da reunião do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), em que revela que a taxa básica de juros – mantida em 2% ao ano na quarta-feira passada – já estaria próxima do nível a partir do qual reduções adicionais poderiam ser acompanhadas de “instabilidade nos preços de ativos”.

→ Leia também: Em linha com o esperado, Copom mantém Selic em 2% ao ano; Fed também permanece com juros no mesmo nível

O documento aponta que o Copom entende que, se necessárias, os novos cortes de juros demandariam maior clareza sobre a atividade e inflação prospectivas e poderiam ser temporalmente espaçadas.

Ao debater sobre um potencial limite efetivo mínimo para a Selic e sua associação a questões de natureza prudencial e de estabilidade financeira, a maioria dos membros do Copom considerou que esse limite seria significativamente maior em economias emergentes do que em países desenvolvidos devido à presença de um prêmio de risco.

“Foi ressaltado que esse prêmio é dinâmico e tende a ser maior no Brasil, dadas a sua relativa fragilidade fiscal e as incertezas quanto à sua trajetória fiscal prospectiva”, destaca a autarquia monetária.

Na ata, o Banco Central também diz que não pretende elevar a Selic a menos que as expectativas de inflação estejam próximas das metas.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no whatsapp