Puxado por reajuste de medicamentos, IPCA fica em 0,31% em abril

A inflação oficial do país acumula alta de 2,37% no ano e de 6,76% nos últimos doze meses

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,31% em abril frente ao mês imediatamente anterior, revelou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira, 11. O resultado foi pressionado pela alta nos preços dos produtos farmacêuticos.

Dessa forma, a inflação oficial do país acumula alta de 2,37% no ano e de 6,76% nos últimos doze meses. Em abril de 2020, o índice havia registrado a taxa negativa de 0,31%.





Para os economistas consultados pela Refinitiv, a expectativa era de que o IPCA registrasse crescimento de 0,30% no comparativo mensal.

Segundo o IBGE, no grupo de saúde e cuidados pessoais, o avanço foi de 1,19%, sendo que a principal influência foi o aumento dos preços dos produtos farmacêuticos, em 2,69%, que também foi o principal impacto no índice geral (0,09 ponto percentual).

“No dia 1º de abril, foi concedido o reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica. Normalmente esse reajuste é dado no mês de abril, então já era esperado”, disse o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, no relatório da entidade.

A maior variação nos produtos farmacêuticos veio dos remédios anti-infecciosos e antibióticos (5,20%). Além disso, houve alta também nos produtos de higiene pessoal (0,99%), como perfumes (3,67%), artigos de maquiagem (3,07%), papel higiênico (2,90%) e produtos para cabelo (1,21%).

Leia também:   Boletim Focus: consenso eleva a Selic a 6,25% ao ano em semana de reunião do Copom

Outro destaque no índice de abril foi o grupo dos transportes, que variou -0,08%, influenciado, principalmente, pela queda nos preços dos combustíveis.

Após 10 meses consecutivos de alta, a gasolina recuou 0,44% em abril. Mas a queda mais intensa no grupo veio do etanol (-4,93%).





“Houve uma sequência de reajustes entre fevereiro e março na gasolina. Mas no fim de março houve duas reduções no preço desse produto nas refinarias. Isso acaba chegando ao consumidor final”, afirma Kislanov.

INPC varia 0,38% em abril

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de abril teve alta de 0,38%, abaixo da taxa de março, quando havia registrado 0,86%. O indicador acumula, no ano, alta de 2,35% e de 7,59% em 12 meses.

Leia também:   Copom eleva a Selic em 0,75%, para 4,25% ao ano, informa BC

Os produtos alimentícios subiram 0,49% em abril. Os não alimentícios variaram 0,35%, após subirem 1,11% em março.

Todas as áreas pesquisadas tiveram inflação em abril, com destaque para Rio Branco (1,06%), onde as altas da gasolina (1,95%) e dos produtos farmacêuticos (4,66%) fizeram o índice subir. Já o menor índice foi observado em Brasília (0,11%), influenciado pelas quedas nos preços da gasolina (-1,47%) e das frutas (-7,10%).

Foto: Unsplash

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp