PIB brasileiro cai para 19º lugar em ranking de 50 países

O país caiu sete posições no ranking mundial após dados do IBGE serem divulgados

Equipe TradeMap
Equipe TradeMap
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O Brasil passou a ocupar o 19º lugar no desempenho de Produto Interno Bruto (PIB) entre 50 países, uma queda de sete posições contra o último trimestre de 2020, de acordo com o levantamento divulgado nesta terça-feira, 01, pela Austin Rating. 

O levantamento considera o resultado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta manhã, que reportou um avanço de 1,2% na economia do país no primeiro trimestre de 2021. 





Apesar da queda, o país ainda está acima do Reino Unido, Itália, França, China e Japão. Segundo Alex Agostini, economista-chefe da agência, o Brasil só se manteve em tal posição devido à elevação dos preços de commodities. 

“O resultado do PIB no primeiro trimestre não reflete a nossa realidade doméstica, que é uma recuperação ainda descompassada, muito do lado da produção para o exterior e menos para o consumo doméstico, que está ocorrendo ainda em passos lentos”, destacou Agostini. 

A Croácia ocupou o primeiro lugar da lista, com 5,8%, seguida por Hong Kong (5,4%), Estônia (4,8%), Chile (3,2%)Cingapura (3,1%), Taiwan (3,1%) e Colômbia 2,9%. 

Na média geral, houve um avanço de 0,4%, enquanto, no grupo dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o crescimento foi de 0,9%. 

Já na Zona do Euro, foi registrada uma queda de 0,6%. 

Apesar das indústrias brasileiras terem ficado majoritariamente em território positivo, as indústrias de transformação, ligadas à atividade econômica interna, tiveram uma queda de 0,5%.  





De acordo com o economista, apesar de o PIB brasileiro ter sido maior que a mediana do mercado, de 0,7%, ele não atingiu a expansão estimada pela Austin, de 2,12% não devendo, então, “ser comemorado com muito entusiasmo, apesar de ser positivo. 

As projeções de Alex para o indicador, de 3,3% em 2021 e de 3% em 2022, se mantiveram inalteradas. 

“Apesar de indicar um potencial maior de crescimento para 2021, por ora, optamos em preservar nossas projeções em virtude de muitas incertezas em relação à retomada”, afirmou. 

Para ele, tais incertezas são as possíveis altas na taxa Selic nas próximas reuniões do Banco Central, a crise hídrica, o processo lento de vacinação contra covid-19 no país, o aumento dos custos de produção, com destaque para as altas recordes dos preços das commodities, o cenário fiscal ainda fragilizado e a redução dos estímulos monetários nas economias desenvolvidas. 

Foto: Getty Images

Leia também:   Banco Pan anuncia compra de 80% da Mobiauto

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Mais 1000 vagas Liberadas! 🤩

Banner Popup 2