Mercado sobe pela 15ª vez a projeção da inflação no Brasil, aponta Boletim Focus

A meta de inflação de 2021, imposta pelo Conselho Monetário Nacional, a ser perseguida pelo BC é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 p.p.

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do Brasil, subiu de 6,11% para 6,31% na comparação semanal, sendo a 15ª alta consecutiva, de acordo com os dados do Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, 19, pelo Banco Central.

Vale destacar que a meta de inflação de 2021, imposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a ser perseguida pela autarquia monetária é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Dessa forma, a meta será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25%.





Caso a inflação brasileira fique de fato acima da meta, como apontam as estimativas, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, terá que redigir uma carta aberta explicando os motivos para o descumprimento.

Leia também:   Vendas no varejo crescem 1,4% em maio, aponta IBGE

Por outro lado, para 2022, o relatório informa que a expectativa para o IPCA ficou no mesmo patamar da semana anterior, de 3,75%.

No próximo ano, a meta central de inflação é de 3,5%, também com o intervalo de tolerância de 1,5 p.p. para cima ou para baixo.

Enquanto isso, o mercado subiu levemente a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, de 5,26% para 5,27%. Foi o 13º avanço seguido do indicador.

O mercado acredita que a economia do país tenha um desempenho melhor até o final deste ano, conforme tem reagido nos últimos meses com a alta dos preços das commodities.





Para o ano que vem, os analistas consultados pelo BC acreditam que o PIB fique em 2,10%, alta de 0,01% em comparação à projeção anterior.

Leia também:   É sancionada lei que aumenta tributação para instituições financeiras

Já em relação à taxa básica de juros, a Selic, o mercado elevou a expectativa de 6,63% para 6,75% ao ano no final de 2021. Essa é a segunda alta seguida.

Hoje, a taxa encontra-se no patamar de 4,25% ao ano. O Comitê de Política Monetária (Copom) subiu a Selic em três reuniões seguidas neste ano após a taxa permanecer por quase seis anos sem sofrer aumento. O mercado entende que o objetivo da entidade é justamente conter a pressão inflacionária.

A próxima reunião do Copom está marcada para o início de agosto.

Por último, a projeção para o dólar manteve-se estável em R$ 5,05 e R$ 5,20 para 2021 e 2022, respectivamente.

Confira mais detalhes sobre o Boletim Focus aqui.

Leia também:   Bolsonaro deve escolher entre Bolsa Família, infraestrutura e reajustes salariais em 2022

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp