EWZ despenca mais de 12% com fala de Trump, Congresso e efeitos do coronavírus

NYSE - Reuters

O pregão desta quinta-feira, 12, repete as quedas da véspera para os mercados internacionais e, com isso, a expectativa é de que a bolsa brasileira acione o terceiro circuit breaker nesta semana.

→  Leia também: Entenda os impactos do coronavírus na economia global

Ontem, o Ibovespa encerrou o pregão regular com queda de 7,64%, renovando o menor patamar desde dezembro de 2018, após a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar o coronavírus como pandemia.

No after market, entretanto, a baixa foi ainda mais expressiva para o índice futuro, que fechou com queda de 13%. O resultado foi impulsionado pela apuração dos votos no Congresso, que derrubou o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei do BPC, o que deve gerar um impacto de R$ 217 bilhões em 10 anos.

Além disso, a fala do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre medidas para combater os efeitos do coronavírus acentuou perdas de ativos de risco. O S&P Futuro chegou a cair mais de 5% e bolsas de valores despencaram com restrições dos EUA a viagens à Europa.

Nos EUA, o MSCI Brazil Capped ETF (EWZ), principal ETF de ações brasileiras negociadas na Bolsa de Valore de Nova York, despencou 12,34% no pré-market.

Foto: Reuters

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no whatsapp