Lucro da Coca-Cola sobe 48% no 2º tri, para US$ 2,59 bilhões

Sua receita líquida do período subiu 42%, para US$ 10,1 bilhões

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Coca-Cola (Nasdaq: COKE) registrou um lucro líquido de US$ 2,593 bilhões no segundo trimestre deste ano, um aumento de 48% em relação aos US$ 1,779 bilhão obtidos no mesmo período de 2020. 

Em base ajustada, o lucro líquido somou US$ 0,68 por ação, acima das expectativas do mercado reunidas pela FactSet, de US$ 0,56 por papel. 





A sua receita líquida cresceu 42% no trimestre, para US$ 10,129 bilhões, enquanto a receita orgânica (que exclui variações cambiais e aquisições de desinvestimentos) subiu 37%. 

A alta do indicador refletiu a recuperação em curso nos mercados em que a incerteza relacionada ao coronavírus diminuiu, além de ter sido beneficiada pelos resultados fracos no ano passado devido ao impacto da pandemia. 

O resultado também foi superior às projeções do mercado de uma receita trimestral de US $ 9,31 bilhões. 

O volume total de vendas subiu 18% no período em análise.  

No ano como um todo, o fluxo de caixa das operações acumulado chegou a US $ 5,5 bilhões, um crescimento de US$ 2,7 bilhões contra o ano passado. 





Já fluxo de caixa livre acumulado neste ano foi de US$ 5,1 bilhões, alta de US$ 2,8 bilhões ante 2020. 

Desempenho por região 

Todas as regiões de atuação da companhia apresentaram alta na receita, lucro líquido e lucro operacional. 

Se comadas todas as regiões, seu lucro operacional chegou a US$ 3,02 bilhões, em alta de 52% no segundo trimestre. 

Na América Latina, o destaque ficou para o crescimento do México e Brasil. 

Sua receita subiu 41%, totalizando US$ 1,07 bilhão, enquanto os juros antes de impostos chegaram a US$ 681 milhões, expansão de 53%. 

O volume vendido na região superou o patamar de 2019, impulsionado pela recuperação dos canais de venda e pela força dos produtos para o consumo doméstico.

Já na América do Norte, o faturamento subiu 28% no período, para US $ 3,38 bilhões. 

Enquanto isso, na Europa, Oriente Médio e África, a receita trimestral teve alta de 67% para US$ 2,02 bilhões.  





Na Ásia Pacífico, cresceu 27%, para US$ 1,5 bilhão. 

 Foto: Pixabay

Leia também:   Zoom anuncia a compra da Five9 por US$ 14,7 bilhões

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp