O que é bookbuilding e para que serve?

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Negociar parte de seu capital nas bolsas de valores é um recurso usado pelas companhias que vem ganhando cada vez mais destaque no mercado financeiro. 

Mas por quê 





Abrir o capital é uma ótima oportunidade para as empresas arrecadarem uma grande quantia de dinheiro para ampliar seus segmentos e negócios.  

Entretanto, existem algumas etapas a serem seguidas antes de se realizar uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). Para que uma empresa comece a operar em bolsa, é necessário precificar o valor de cada papel que será negociado em seu IPO.

O que é bookbuilding? 

De um modo resumido, o bookbuilding é o processo utilizado para definir um preço justo para o IPO ou oferta secundária de ações, que seja adequado à intenção de compra dos investidores. 

Por isso, no processo, o coordenador da oferta, em conjunto com seus investidores, estuda e avalia a demanda de seus ativos no mercado. Assim, ele conseguirá estimar o preço que poderá praticar e a quantidade de ações ou títulos que poderão ser oferecidos. 

Quais as etapas? 

procedimento leva, em média, dez dias, para que definam um valor de compra adequado ao esperado. Além disso, existe todo um processo voltado à pesquisa e ao levantamento de dados, até chegar à precificação. 





Na bolsa de valores brasileira, a B3, o processo pode ser feito de modo digital, com e-bookbuilding.  

Assim, toda a comunicação é feita por meio da internet, desde a manifestação de interesse de compra até a definição do preço final. 

Veja o infográfico abaixo: 

Infografico TM 1

Infográfico desenvolvido por TradeMap 

Exemplo 

Caso uma empresa decida vender parte de seu capital social, o coordenador da oferta determina um valor inicial com variação. Exemplo: entre R$ 10 e R$ 15. 

Após isso, o próximo passo será levantar o interesse de compra dos investidores no mercado em geral.  

Se, por acaso, o valor esperado não for atingido, a melhor solução da companhia é reduzir o preço, de forma atrair mais acionistas para comprar seus papéis e, assim, atingir o valor esperado. 

Se o procedimento for mal realizado, a comercialização dos ativos será lesada e a empresa poderá até mesmo ter prejuízos com uma desvalorização não planejada de seus ativos 





Mas o contrário também pode ocorrer: a demanda também pode superar a quantidade de ações ofertadas. 

O que fazer se houver excedente da demanda? 

Caso a demanda pela oferta supere a quantidade de ações ofertadas, a empresa deverá realizar um rateio. 

O rateiro não é feito sobre o preço da ação, mas sim sobre a quantidade emitida. 

Desse modo, cada acionista poderá adquirir uma parcela do número de ações que indicou no bookbuilding, fazendo com que todos os interessados recebam a sua devida parte. 

Renda variável x Renda fixa 

Se você pensou que o bookbuilding era feito somente para renda variável e ações, você estava enganado! 

O processo também vale para títulos de renda fixa, como debêntures, Eurobonds e bônus globais. A lógica é a mesma que para as ações: pesquisar uma taxa de juros em que a quantidade de papéis oferecida possa ser vendida em uma forma proporcional ao esperado pela companhia. 

Foto: Getty Images





Leia também:   Safra terá ETF que replica o Ibovespa negociado na B3 a partir de segunda-feira

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp