Um 2022 com as contas sob controle; saiba como organizar as suas finanças

Rever os gastos e traçar objetivos ajudam a controlar o orçamento

dinheiro real
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

O ano começa e junto surge a lista de resoluções de Ano Novo. Uma que deve ser tirada do papel e colocada em prática é a organização das finanças pessoais, uma vez que esse arranjo vai facilitar a execução de outras metas.

E para colocar as contas em ordem, primeiro é necessário reconhecer em que estágio cada pessoa se encontra. É possível fazer uma divisão em três grupos: os que estão endividados; quem não deve, mas também não consegue poupar; e aqueles que possuem uma folga no orçamento destinada aos investimentos.

Para todos esses, há um passo em comum na hora de fazer o planejamento financeiro: saber exatamente o quanto recebe e o quanto gasta.

Pode parecer bobagem, mas muita gente faz as contas sobre o orçamento doméstico considerando o salário bruto (sem os descontos como o do Imposto de Renda) ou, no caso de profissionais liberais, sem considerar o pagamento dos impostos sobre as notas fiscais emitidas.

Depois de saber a renda disponível, é necessário descobrir o quanto se gasta. Além dos grandes gastos (moradia, alimentação, transporte e educação), é possível também listar os “miúdos”, como assinaturas de streaming, pacote de serviços da conta corrente (sim, há quem pague por isso), deliveries de aplicativo.

“Se a pessoa não sabe nem para onde vai o dinheiro que ganha, ela não vai conseguir controlar. E para controlar, é preciso registrar isso”, diz Leticia Camargo, planejadora financeira CFP.

Endividados

Uma compra parcelada aqui, um financiamento ali e de repente a pessoa se depara com um nível de dívida que abocanha uma parte significativa de sua renda. Parte dessas pessoas não dá conta de pagar e ainda fica com o “nome sujo”, negativado.

Controlar esse endividamento ou quitá-lo só será possível se o consumidor souber exatamente o quanto deve. É hora de colocar todas as dívidas no papel e, se houver contas em atraso, checar o valor real desse rombo, uma vez que os juros por atraso farão esse montante subir (e muito).

O passo seguinte é, no orçamento doméstico, ver o que é possível cortar ou restringir para que o consumidor tenha fôlego para quitar essas dívidas. Reduzir os gastos com lazer e alimentação fora de casa e trocar o plano do celular ou TV por assinatura por opções mais em conta podem ajudar nesse fôlego.

Camargo aconselha a checar as condições de cada instituição para a quitação desses débitos, priorizando as que oferecem condições melhores. Para quem vai pagar à vista, é possível negociar descontos, em especial para quem já está com o nome nos cadastros de restrição de crédito.

“O melhor é juntar algum dinheiro para ter uma proposta para pagar à vista ou uma entrada maior. Assim, será possível conseguir uma negociação melhor”, diz Camargo.

Outra dica é, na hora de negociar, nunca aceitar a primeira oferta da instituição financeira e fazer uma contraproposta.

Se a dívida é alta, mas o consumidor não está com o nome negativado, uma alternativa é tentar fazer a portabilidade para uma outra instituição que ofereça condições melhores.

Nesse período, Carlos Eduardo Costa, educador financeiro do Banco Mercantil, lembra que o consumidor deverá se comprometer a não fazer novas dívidas, já que o objetivo é quitar as antigas. Isso também vale para as pequenas parcelas das compras feitas com cartão de crédito. Um gasto de até R$ 100 pode parecer pequeno, mas ao fazer várias compras parceladas, ao final do mês, o comprometimento com essas dívidas miúdas será significativo.

“A compra parcelada pode ser uma armadilha. Só deixa de ser quando a pessoa aceita que não pode assumir um outro compromisso”, diz.

Sem sobra para investir

Chegar ao final do mês sem dívidas ou com as dívidas pagas é um alívio. Mas como melhorar isso e conseguir investir?

Camargo lembra que um dos erros é esperar o mês acabar para ver se vai sobrar dinheiro ou não. O ideal, nesse caso, é fazer a aplicação assim que o salário caia na conta.

Para ajudar na criação desse hábito, a planejadora financeira aconselha a pensar nos objetivos que a pessoa tem e que serão proporcionados por essa poupança que ela começará a construir.

“Às vezes a pessoa está gastando com o que não é importante e aí falta dinheiro para o que é importante”, diz

Aqui, vale a mesma dica dos endividados: veja o que é possível cortar ou reduzir nos gastos. Abrir mão de pequenos custos diários podem fazer diferença no mês.

Rosi Ferruzzi, planejadora financeira CFP pela Planejar, lembra que ao começar a guardar dinheiro, o primeiro objetivo deve ser a formação de uma reserva de emergência. É esse dinheiro que vai garantir que, em uma emergência, não seja necessário fazer uma nova dívida.

“Ter uma reserva deve ser o primeiro passo. Depois, é hora de pensar em guardar dinheiro para outros projetos, como a compra de um bem ou a longevidade”, conta.

E como toda a criação de hábito, haverá algumas escorregadas no meio do caminho, mas o importante é persistir até que o ato de investir seja natural.

Tudo sob controle

Quem está nesse grupo não perde as noites de sono pensando em dívidas e também já tem o hábito de reservar uma parte da renda para os investimentos. Esse hábito vai ser muito mais efetivo se o investidor souber para o que está guardando esse dinheiro.

Uma debênture que pague IPCA mais 6,7% ao ano é um bom investimento? Isso vai depender muito se o objetivo desse investidor é de curto, médio ou longo prazo. Esse papel, no caso, é de uma concessionária de rodovias e tem prazo de vencimento em dezembro de 2030.

Por mais atrativa que a rentabilidade seja, o investimento não é adequado para quem está formando a reserva de emergência ou tem um objetivo de curto ou médio prazo.

“A pessoa precisa saber quais são os objetivos dela, horizonte que ela quer realizar isso e o risco que está disposta a correr. Depois disso, precisa diversificar. Essa é a palavra-chave”, diz Fernando Donnay, sócio da gestora de patrimônio G5 Partners, ressaltando que essa diversificação deve considerar as classes de ativos e a variação entre os diferentes ativos de cada classe.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Rolar para o topo
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais