Navegue:
Petróleo cai quase 6% com perspectiva de avanço em negociações sobre guerra na Ucrânia

Petróleo cai quase 6% com perspectiva de avanço em negociações sobre guerra na Ucrânia

Preço do Brent recuava 5,6% no mercado futuro da ICE por volta das 10h45, a US$ 106 o barril, após notícias de uma possível saída diplomática para o conflito

sanções petróleo- shutterstock

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Os preços do petróleo caem quase 6% nesta manhã, com investidores reagindo às notícias de que a Rússia irá “reduzir radicalmente” os ataques a Kiev.

Por volta das 10h45 (de Brasília), o preço do petróleo tipo Brent – que serve como referência para o mercado internacional – recuava 5,6% no mercado futuro da ICE, cotado aUS$ 106 o barril.

Fonte: ICE
Preço da commodity despencou no início da manhã, após notícias de uma possível solução diplomática. Fonte: ICE

Nesta terça (29), o vice-ministro da Defesa russo, Alexander Fomim, declarou que as tropas do país irão recuar e diminuir os ataques em Kiev e Chernihiv, localizadas ao norte da Ucrânia.

Essa situação acontece depois que o governo ucraniano indicou adotar uma posição neutra em relação a participar da Otan. O status neutro significa que o país não pode fazer parte de alianças militares nem hospedar bases militares em seu território.

A possibilidade de a Ucrânia ingressar na Otan, estendendo a presença da aliança militar até a fronteira da Rússia, foi um dos motivos alegados pelo presidente russo, Vladimir Putin, para justificar a invasão ao território vizinho.

O conflito militar entre os dois países completará cinco semanas na próxima quinta-feira (31) e, desde seu início, tem servido de gatilho para um avanço rápido nos preços do petróleo.

A Rússia é um dos maiores exportadores mundiais da commodity e, após invadir a Ucrânia, foi punida pelos Estados Unidos, pelo Reino Unido e pelos países da União Europeia com sanções econômicas que dificultam as vendas de petróleo ao exterior.

Nesse cenário, o mercado passou a esperar escassez de petróleo e os preços chegaram perto de US$ 139 o barril no início de março, quando investidores acharam que havia chance de um embargo internacional aos produtos exportados pela Rússia.

Compartilhe: