Navegue:
Com crise de energia no radar, mercado global segue sem direção nesta quarta

Com crise de energia no radar, mercado global segue sem direção nesta quarta

No Brasil, as atenções continuam com o desenrolar da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que muda a regra de pagamento dos precatórios

Energia elétrica - Unsplash

Foto: Unsplash

Por:

Compartilhe:

Por:

Nesta quarta-feira, 29, os mercados globais seguem atentos aos problemas vindo da China, com a dívida da Evergrande, e à crise de energia, elevando as preocupações com a desaceleração econômica e temores de inflação pairando sobre os mercados emergentes.

As bolsas asiáticas fecharam de forma mista, enquanto as bolsas europeias e os futuros americanos apontam para uma recuperação após as quedas de ontem. Entretanto, os investidores ainda mantêm no radar as preocupações com o impasse do teto da dívida americana.

Vale lembrar que, no Senado dos Estados Unidos, o partido republicano bloqueou uma ação dos democratas para aumentar o limite da dívida. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, comentou que não tem recursos, podendo se agravar a partir de 18 de outubro.

A grande preocupação do mercado é com o aumento dos custos de energia, afetando fortemente a inflação. Além disso, os bancos centrais vêm estabelecendo projeções para a retirada de parte do estímulo monetário. Hoje tem a fala dos presidentes dos BCs no fórum do banco central europeu, podendo dar dicas das próximas manobras para a política monetária.

Quanto às commodities, o preço do petróleo tem leve baixa, refletindo uma eventual desaceleração da economia chinesa, enquanto o minério de ferro segue pressionado com a China tentando segurar o preço.

No Brasil, as atenções continuam com o desenrolar da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que muda a regra de pagamento dos precatórios, com foco para o teto dos gastos, além da reforma do Imposto de Renda. 

Para esta quarta, os investidores deverão repercutir a divulgação do IGP-M, que ficou em 0,64%, levemente abaixo da última leitura. Com este resultado, o índice acumula alta de 16% no ano e de 24,86% em 12 meses.

Em setembro de 2020, o índice havia subido 4,34% e acumulava alta de 17,94% em 12 meses.

Ainda hoje, deverá ser divulgado o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que foi adiado na véspera.

Nos EUA, a agenda reserva a divulgação das vendas pendentes de moradias, às 11h, e dos estoques de petróleo, que sairá por volta das 11h30.

Compartilhe: