Navegue:
Impulsionado por exterior e commodities, Ibovespa sobe mais de 1% neste início de semana

Impulsionado por exterior e commodities, Ibovespa sobe mais de 1% neste início de semana

Por volta de 13h05 (de Brasília), o Ibovespa tinha alta de 1,66%, aos 110.292 pontos

Gráfico de ações com imagem de mineradora ao fundo

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Dando sequência aos ganhos vistos na semana passada, a Bolsa brasileira opera em alta nesta segunda-feira (23) impulsionada por ações ligadas à commodities metálicas e ao petróleo, que se aproveitam do momento de retomada econômica na China após os lockdowns recentes.

Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4), que possuem mais “peso” na Bolsa, ajudam a alavancar o índice. Por volta de 13h05 (de Brasília), os papéis da mineradora subiam 2,35% e da petrolífera 3%. No mesmo momento, o Ibovespa tinha uma alta de 1,66%, aos 110.292 pontos.

As maiores altas do pregão, por sua vez, ficavam com IRB Brasil (IRBR3), que subia 7,31% e Banco Pan (BPAN4), que tinha valorização de 3,85%. Ambas as ações recuperam parte das perdas de pregões recentes. As ações do banco paulista, por exemplo, acumularam uma desvalorização de mais de 5% nas últimas cinco sessões.

Na visão de João Abdouni, analista da INV, a alta dessas companhias se explica pelo chamado “movimento de repique”, ou seja, uma alta momentânea de uma ação que tem caído com intensidade. Para ele, os papéis têm caído fortemente após os balanços do primeiro trimestre terem vindo abaixo das expectativas.

Na sequência das maiores, destaque para Gerdau (GGBR4), que crescia 3,36%, CSN (CSNA3), que subia 3,78%, Gerdau Metalurgia (GOAU4), que tinha valorização de 3,26% e PetroRio (PRIO3), que ganhava 3,10%.

A sinalização de retomada econômica na China é benéfica para essas empresas, uma vez que o gigante asiático é um grande importador dessas matérias-primas. Além disso, um setor que deve ser impulsionado nessa retomada é o imobiliário, que precisa de aço.

Essa movimentação, que já acontece desde o final da semana passada, ajuda a valorizar o preço das commodities no mercado internacional, o que acaba ajudando as ações. O preço do barril do petróleo tipo Brent — que serve como referência no mundo, chegou a bater os US$ 114 no início desta semana.

Enquanto isso, o minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve uma alta de 4,41% na comparação intradia durante o pregão desta manhã. Agora, a tonelada do produto é negociada a 863,50 iuanes, o equivalente a US$ 129,63.

Em relação às petrolíferas, Abdouni vê um bom futuro para essas ações, já que “a tese do petróleo vai guiar o mercado pela frente”. Ele argumenta que, com os preços atuais do petróleo e do dólar em relação ao real, essas companhias devem apresentar balanços positivos e pagarem bons dividendos. Segundo dados da plataforma do TradeMap, a moeda americana era cotada a R$ 4,80.

Quedas do dia

Empresas ligadas ao setor de saúde figuravam entre as principais quedas do pregão. Qualicorp (QUAL3) recuava 5,70%, Rede D’or (RDOR3) perdia 2% e Sulamérica (SULA11) desvalorizava 2,46%.

Para o analista da INV, essas companhias sofrem com uma legislação dura para reajustar planos de saúde e que, num cenário de inflação alta, essa perda de capacidade de repasse ao consumidor acaba prejudicando as margens destas empresas.

Na sexta-feira (20), a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) informou que o reajuste máximo a ser autorizado para os planos individuais ou familiares está sendo estudado pelo Ministério da Economia, e ainda não possui data para ser divulgado.

Além delas, as principais quedas do Ibovespa no dia eram de Banco Inter (BIDI11), que caía 4,83%, CVC (CVCB3), que perdia 2,73% e Eneva (ENEV3), que apontava em 1,35% para baixo.

Dentre as small caps, Enjoei (ENJU3) recuava 5,38% e liderava a fila. A empresa comunicou na noite de sexta-feira que as negociações envolvendo a compra da Gringa, plataforma online de intermediação da venda de artigos de luxo de segunda mão, estão suspensas.

De acordo com comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) na última sexta-feira (20), o acordo entre as empresas, que havia sido fechado no ano passado, ultrapassou o valor máximo de direito de recesso.

Esse diz respeito à possibilidade de os acionistas minoritários venderem suas ações, caso discordem de alguma deliberação da companhia. Em relação à operação com a Gringa, o valor máximo estipulado pela Enjoei era de R$ 1,5 milhão.

Bolsas internacionais

Os principais índices acionários mundo afora apontavam na mesma direção que o Ibovespa nesta segunda. Em Wall Street, o Dow Jones subia 2,03%, o S&P 500 ganhava 1,62% e o Nasdaq crescia 1,07%.

Por lá, os investidores aguardam a divulgação da ata da última reunião do Fomc (comitê de política monetária do banco central americano), que será divulgada na próxima quarta-feira (25). Além disso, o presidente Joe Biden declarou que as tarifas sobre produtos chineses estão sob avaliação, numa tentativa de frear a inflação por lá.

Na Europa, Christine Lagarde, presidente do banco central europeu, afirmou que as taxas de juros deverão começar a subir em julho. Enquanto isso, as principais bolsas do Velho Continente subiam nesta segunda próximas do fechamento.

O índice Euro Stoxx 50 apontava em 1,26% enquanto o FTSE 100 crescia 1,67% e o DAX valorizava 1,38%.

Compartilhe:

Compartilhe: